Pioneirismo que fomenta a economia e estimula o desenvolvimento local

Em artigo, presidente da Federação das Indústrias do Pará, José Conrado Santos, avalia o papel do Sistema FIEPA no desenvolvimento regional
Usina Hidrelétrica Belo Monte (PA)

A indústria leva desenvolvimento onde quer que esteja, a partir dos tributos que paga, da geração de empregos e da movimentação na economia, especialmente ao realizar na própria região suas compras de produtos e serviços necessários para a produção. Indústria e comércio estão então intrinsecamente ligados nessa relação em que uma compra da outra.

Há 20 anos isso não era uma realidade absoluta no Pará, onde as compras locais dos grandes empreendimentos industriais no Estado eram de apenas 19%. Isso significa dizer que grande parte dos impostos e os empregos iam para outras regiões, fora o aumento de custo para esses empreendedores que tinham o desejo de fazer suas compras aqui, mas não encontravam fornecedores capacitados para atender suas demandas.

Naquele momento, o Sistema FIEPA, com o incentivo das grandes compradoras, lançou-se o desafio de mudar esse quadro, aproximando essas empresas dos fornecedores locais. E assim surgia uma iniciativa pioneira em sustentabilidade econômica no Pará, batizada naquele momento de Programa de Desenvolvimento de Fornecedores (PDF). Ao longo dos anos, ela se tornou autoridade quando o assunto é fomentar negócios entre os grandes projetos industriais no Pará e os empreendedores locais.

Vinte anos depois, a iniciativa, que agora se chama REDES, conecta empresas, as pessoas que fazem essas empresas, realiza diagnósticos mercadológicos e setoriais, parcerias em prol do desenvolvimento, e tem uma atuação com abrangência estadual, nos destinos mais remotos onde a indústria se instala, levando para essas regiões o conceito da campanha “Comprou no Pará, lucrou”, de incentivo às compras locais.

Em duas décadas de história, a REDES reafirma sua atuação inovadora no Estado com ações de sustentabilidade econômica e com o belo resultado de um crescimento de 126% nas compras locais realizadas por suas mantenedoras no Estado do Pará, já tendo alcançado um registrado acumulado de R$ 121,3 bilhões em aquisições feitas pelas indústrias parceiras da iniciativa. Essa movimentação é reconhecida anualmente pelo Prêmio REDES de Desenvolvimento, projeto considerado referência nacional pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) como um case de sucesso.

Neste ponto de pioneirismo, a FIEPA, por intermédio da REDES, participou efetivamente no processo de construção de dois dos maiores projetos estruturantes do país nos últimos anos, a Usina Hidrelétrica Belo Monte, com ações relacionadas ao fomento socioeconômico, e também do Projeto S11D, onde foram mapeados e desenvolvidos empreendedores locais para atenderem as demandas de compras no município de atuação, Canaã dos Carajás, no sudeste do Pará. Estes números e ações validam a efetividade alcançada pela iniciativa da Federeção das Indústrias do Estado do Pará (FIEPA) através da maior internalização de recursos e uma aposta segura no desenvolvimento econômico sustentável do Estado.

Os números recentes de 2019 refletem o reconhecimento ao trabalho dessa iniciativa da FIEPA. Ano passado, houve a renovação de 100% dos convênios com as mantenedoras, conquistando ainda a adesão de duas novas indústrias, totalizando 14 indústrias mantenedoras. No grupo de apoiadoras, 10 novas empresas firmaram adesão, somando hoje um total de 25 empresas.

A renovação dessas parcerias e a adesão de novas indústrias não representa só um número. Mais que isso, representa uma nova relação que dará continuidade àquilo que já temos conquistado ao longo dos anos, como o fortalecimento da economia paraense, por meio da parceria com a REDES, as indústrias locais e os fornecedores do Estado.

Ainda falando das realizações de 2019, a REDES contabilizou o atendimento a 264 solicitações de empresas para a indicação de fornecedores de acordo com o perfil que necessitavam, crescimento de 13% em comparação a 2018, e indicou 1.288 fornecedores locais para atendimento destas solicitações industriais. Envolveu também 871 pessoas e lideranças em seus eventos, voltados para o desenvolvimento de fornecedores e fomento de negócios.

Um outro benefício trazido por essa nossa iniciativa é a atração de investimentos. A partir do momento em que temos uma cadeia de fornecimento preparada para atender as demandas dos empreendimentos que aqui chegam, também geramos confiança no investidor ao criar um ambiente favorável para as compras locais.

A própria REDES mapeia investimentos acima de R$ 30 milhões em um determinado período de tempo, por meio do estudo Pará Investimentos, para ficar atenta às necessidades das indústrias e para que os fornecedores paraenses fiquem de olho nas oportunidades que irão surgir. São investimentos nas áreas de infraestrutura e logística, mineração, energia, agronegócio e indústria em geral. Até o final do ano passado haviam sido mapeados 65 projetos com a previsão total de investimentos de R$ 119 bilhões nos próximos anos. Destes, alguns a serem executados e outros já em plena implantação.

Mesmo com todas essas realizações ao longo desses 20 anos, seguimos incansáveis em um dos nossos objetivos que é contribuir com o desenvolvimento do estado, através de um conjunto de práticas financeiras e administrativas que visam o desenvolvimento favorável do mercado industrial local com equilíbrio social e econômico. Sem dúvida nenhuma, um ganho para a nossa indústria e para toda a sociedade. 

José Conrado Azevedo Santos é presidente da Federação das Indústrias do Estado do Pará (FIEPA) 

REPRODUÇÃO DO ARTIGO - Os artigos publicados pela Agência CNI de Notícias têm entre 4 e 5 mil caracteres e podem ser reproduzidos na íntegra ou parcialmente, desde que a fonte seja citada. Possíveis alterações para veiculação devem ser consultadas, previamente, pelo e-mail imprensa@cni.com.br. As opiniões aqui veiculadas são de responsabilidade do autor. 

Relacionadas

Leia mais

Novos conselheiros debatem a agenda de relações  do trabalho da indústria de 2020
Seminário do SESI debate o futuro da educação e das cidades

Comentários