Plataforma SESI Viva+ é lançada no Rio Grande do Sul

“Meeting SESI Saúde” também será realizado em outras cidades gaúchas
Emmanuel Lacerda, gerente-executivo do SESI Nacional, destaca que o SESI Viva+ atende demanda do mercado sobre gestão integrada de saúde e segurança na indústria brasileira

Debater o eSocial no contexto da saúde e segurança no trabalho e realizar o lançamento do SESI Viva+ foi o objetivo do Meeting Sesi Saúde, ocorrido na sede da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), na quarta-feira (6). 

O gerente-executivo do Serviço Social da Indústria (SESI Nacional), Emmanuel Lacerda, esteve em Porto Alegre para lançar a plataforma. O ambiente único de dados de saúde e segurança, e estilo de vida do trabalhador da indústria, possibilita a geração de informações qualificadas e estruturadas, além de estudos epidemiológicos para apoiar as indústrias na redução de custos com saúde e afastamento, diminuição de riscos legais, na prevenção de acidentes e aumento da produtividade. 

“Ele atende uma demanda do mercado para fazer uma gestão integrada de saúde e segurança na indústria brasileira. Em um primeiro momento, focado em reduzir os riscos legais na implantação do eSocial, mas também é uma estrutura de sistema de informação preparada para que as empresas possam gerir programas de promoção da saúde e gestão de saúde completa”, detalhou Lacerda.

Já o superintendente do SESI-RS, Juliano Colombo, informou que o SESI do Rio Grande do Sul atende mais de seis mil empresas com serviços de saúde no Estado e que o assunto precisa ser visto como questão de produtividade. “É necessário olhar a saúde até mesmo como forma de elevar o lucro, trata-se de uma relação ganha-ganha para trabalhadores, empregadores e, claro, para a sociedade. O SESI Viva+ vem para trazer mais inteligência aos dados que serão exigidos pelo governo federal”, comentou Colombo.

A especialista do SESI-SC Migliane Réus de Mello comentou que apesar de o Rio Grande do Sul ser o Estado mais fiscalizado do Brasil, hoje, apenas 4% das indústrias recebem os fiscais no País. “Neste cenário, vem o eSocial, que altera a forma de envio de dados, ampliando a possibilidade para que 100% das empresas sejam fiscalizadas. Não é automático, mas a chance de detectarem algo é maior”, declarou.

Migliane destacou que é importante encarar a obrigatoriedade do eSocial não apenas como um controle do governo, mas como oportunidade de promover melhorias de processos a partir dos dados coletados. Ela também respondeu às principais dúvidas de empresários e outros profissionais sobre o tema.

O coordenador do Conselho de Relações do Trabalho da FIERGS, Thômaz Nunnenkamp, que intermediou o painel de debates eSocial X SST, lembrou que a movimentação empresarial em torno do eSocial contribuiu para que houvesse algumas simplificações, se comparado ao projeto inicial. “Os dados em SST são uma novidade. Até o momento, só eram registrados os acidentes de trabalho neste quesito”, destacou. “Por isso, o SESI Viva+ é um grande aliado das empresas neste assunto”, completou.

SESI Viva+ -  Ao final do evento, os participantes puderam conhecer na prática como funciona a ferramenta. Mais informações estão disponíveis em www.sesivivamais.com.br. O Meeting também ocorrerá em Lajeado (20 de junho), Panambi (19 de julho), em Caxias do Sul (7 de agosto) e Novo Hamburgo em novembro, com data a definir.

Assista ao vídeo sobre o “Meeting SESI Saúde” promovido pela FIERGS: 

Relacionadas

Leia mais

7 motivos para sua empresa ter o SESI Viva+
SESI lança vídeos sobre segurança e saúde no trabalho da panificação
SESI e SENAI lançam projeto #SEMPREFUTURO

Comentários