Projeto Amazônia+21 debate o desenvolvimento sustentável na região

Iniciativa será lançada em evento, na sede da CNI, com representantes empresariais e do governo. O projeto realizará encontro internacional de 5 a 8 de maio de 2020, em Porto Velho
Em maio de 2020, será realizado fórum internacional dobre desenvolvimento sustentável da Região Amazônica

O projeto Amazônia+21, promovido pela Agência de Desenvolvimento de Porto Velho (RO), será lançado nesta quarta-feira (30), às 8h, na sede da Confederação Nacional da Indústria (CNI), em Brasília. O objetivo é promover a criação de novos modelos de desenvolvimento sustentável para a região amazônica por meio de negócios sustentáveis, valorização das riquezas culturais da região, atração de investimentos e ciência e tecnologia.

Além do presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, estão confirmadas as presenças dos ministros do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto.

A iniciativa vai realizar um encontro internacional para empresários, investidores, pesquisadores e representantes de governo de 5 a 8 de maio de 2020, em Porto Velho (RO). Será o maior fórum mundial de diálogos sobre desenvolvimento sustentável, com temas relacionados à ciência e pesquisa aplicada, novos negócios, fundos para investimentos e questões socioculturais, abrangendo os nove países que formam a região amazônica.

"A Região Amazônica tem uma grande importância para o Brasil e para o mundo e um imenso potencial para geração de riquezas" - Marcelo Thomé

Já estão confirmadas as presenças de referências mundiais em desenvolvimento sustentável como o meteorologista brasileiro Carlos Nobre, o diretor da consultoria SustainAbility, John Elkington, e Marc Jean Dourojeanni, professor emérito da Universidade Nacional Agrária La Molina, no Peru.

De acordo com Marcelo Thomé, presidente da Agência de Desenvolvimento de Porto Velho, o Amazônia+21 foi idealizado para pensar a Amazônia do século 21. “A Região Amazônica tem uma grande importância para o Brasil e para o mundo e um imenso potencial para geração de riquezas”, destaca. “É preciso valorizarmos essa riqueza natural e aproveitarmos todo esse potencial por meio da promoção da integração dos nove países da região, unindo os saberes tradicionais amazônicos com pesquisa e inovação”, conclui Thomé. 

“Mostrar ao Brasil e ao mundo as oportunidades de investimentos e as potencialidades da região faz com que Porto Velho se sinta agradecida em acolher e proporcionar essa grande experiência”, diz o prefeito da cidade, Hildon Chaves.

SAIBA MAIS - As inscrições para o evento de 2020 estarão abertas a partir da segunda quinzena de novembro no site do Amazônia+21.

Relacionadas

Leia mais

VÍDEO: Brasil aproveita pouco o potencial de suas florestas, destaca especialista
CNI vê relação equivocada entre queimadas na Amazônia e produtos industriais brasileiros
Mercados de biodiversidade e floresta têm grande potencial de crescimento no Brasil

Comentários