SESI do Rio de Janeiro traz orientações em ergonomia para utilizar o celular

A instituição lançou um guia com orientações específicas, para que os exageros no uso do smartphone não custem caro ao corpo e evitem afetar a produtividade do trabalhador
Mantenha o aparelho na altura dos seus olhos e a uma distância de 25 cm

Com a necessidade de trabalho home office e o aumento da utilização dos celulares no isolamento social, o equipamento, agora, assume papel ainda mais importante na rotina dos profissionais. 

De olho nesse contexto, o Serviço Social da Indústria (SESI) do Rio de Janeiro lançou o “Guia de orientações em ergonomia para trabalhar com o auxílio do seu smartphone”. Elaborado com o apoio de profissionais da área de ergonomia e da saúde, o material traz orientações específicas para que os exageros não custem caro ao corpo e evitem afetar a produtividade do trabalhador.

“Em posição neutra, a cabeça de um adulto pesa entre 4,5 e 5,4 quilos. O problema é que dependendo da inclinação para utilizar o dispositivo, pode ser gerado o peso extra de 27 quilos sobre o pescoço, o que sobrecarrega a musculatura da região dos ombros e braços (coluna cervical), resultando em má postura e  dores para o usuário”, explica a ergonomista Paula Quintas.

Outros reflexos da má utilização do smartphone são as dores de cabeça. Segundo a especialista, elas podem estar relacionadas à intensa pressão que ocorre na musculatura e nas estruturas ósseas da região do pescoço como consequência à permanência em posição indevida. A atenção também se volta para a saúde ocular. “Olhos cansados, secos e irritados e problemas futuros na retina são sintomas que podem se acumular devido ao tempo de exposição à luz azul do aparelho.”

Carlos Magno, gerente geral de relacionamento da Federação das Indústrias do Estado do Rio Janeiro (FIRJAN), reforça que o guia oferece orientações para fazer o bom uso do aparelho e manter a produtividade dos profissionais. “Nossa ideia é alertar sobre os impactos que a má utilização do dispositivo pode causar na saúde e bem-estar dos trabalhadores. Por isso, oferecemos dicas de visualização de tela para não prejudicar a visão, instruções de pausa e exercícios com as mãos”, complementa.

Veja 6 dicas inclusas no guia para melhorar o uso do celular

  • Para cada 45 minutos usando o celular, faça uma pausa de 10 a 15 minutos;
  • Para cada 20 minutos que você passar olhando para o smartphone, pause, mude o foco e olhe para algum objeto a, pelo menos, seis metros de distância;
  • Em relação à postura, é recomendável que você direcione sua visão, e não o pescoço até o aparelho;
  • Mantenha o aparelho na altura dos seus olhos e a uma distância de 25 cm;
  • Busque alternar a posição da mão e revezar os dedos. Isso reduz a dor repetitiva causada pelo uso excessivo do polegar e dos movimentos desajeitados;
  • Evite segurar o telefone com força excessiva para reduzir a tensão nos dedos.

Baixe aqui a íntegra do "Guia de orientações em ergonomia para trabalhar com o auxílio do seu smartphone".

Exercícios e alongamentos podem prevenir a tendinite

Manual de exercícios para evitar tendinite

  1. Toque todas as pontas dos seus dedos com a ponta do seu polegar da mesma mão, um dedo de cada vez. Repita 10 vezes para cada mão;
  2. Estique suas mãos e separe seus dedos o mais longe um do outro que puder. Segure a posição por 10 segundos e repita 6 vezes;
  3. Encaixe suas mãos uma na outra. Mantendo-as entrelaçadas pelos dedos, vire-as para longe do seu corpo enquanto estende seus braços para a frente. Você deve sentir um leve alongamento. Mantenha a posição por 10 segundos e repita 6 vezes.

A Indústria contra o coronavírus: vamos juntos superar essa crise

Acompanhe todas as notícias sobre as ações da indústria no combate ao coronavírus na página especial da Agência CNI de Notícias

Relacionadas

Leia mais

Ou inova ou desaparece: os caminhos para a indústria impostos pela pandemia
Inclusão de pessoas com deficiência auditiva é ainda mais importante na pandemia
VÍDEO: Confira dicas do SESI de prevenção ao coronavírus para planejar a retomada às atividades

Comentários