Paciente usa capacete produzido por SENAI do Ceará durante tratamento e recebe alta

A paciente de 70 anos se recuperou de insuficiência respiratória após tratamento com o Elmo, capacete que utiliza mecanismo de respiração artificial não-invasivo
A aposentada Maria Irismar Morais, de 70 anos, celebrou a volta para casa em Jaguaribe (CE)

Após 13 dias internada por Covid-19, a aposentada Maria Irismar Morais, de 70 anos, celebrou a volta para casa em Jaguaribe, no interior do Ceará. A paciente se recuperou de insuficiência respiratória após tratamento com o Elmo, capacete que utiliza mecanismo de respiração artificial não-invasivo.

Ansiosa para reencontrar os familiares, Maria Irismar agradeceu aos profissionais de saúde que aplicaram o equipamento no Hospital Leonardo da Vinci, unidade adquirida pelo Governo do Ceará, por meio da Secretaria da Saúde do Estado, durante a pandemia. “Vou para casa com meu coração feliz e realizado. Foi Deus que me enviou essa equipe para me curar da falta de ar. Eu venci, graças a Deus!”, comemorou.

Promessa para tratar casos leves e moderados de infecção pelo novo coronavírus, o capacete de respiração assistida está em fase de testes em pacientes internados no HLV desde o final de junho. O experimento é fruto de uma força-tarefa composta pelo Governo do Ceará, por meio da Sesa, ESP/CE e Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap), Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), Universidade Federal do Ceará (UFC) e Universidade de Fortaleza (Unifor).

Para o gerente de tecnologia do SENAI do Ceará, Tarcisio Bastos, a instituição se sente plenamente convicta de que seu papel vai muito além de ser apenas um prestador de serviços. De acordo com o professor, o Elmo tangibiliza a vocação do SENAI, que vem desde sua criação a 78 anos atrás, de tocar a vida das pessoas, trazendo a cada um a esperança de uma vida melhor.

"Fazemos isso quando formamos um trabalhador, e fazemos isso também, quando ajudamos a melhorar nossa indústria com nossos serviços técnicos e tecnológicos. Nos enche de satisfação saber que todo o esforço empreendido no desenvolvimento e construção dessa solução está, efetivamente, salvando vidas", afirma Bastos.

O resultado animou os pesquisadores envolvidos na produção e pesquisa do experimento. “O Elmo foi utilizado quando a paciente necessitou de mais oxigênio, contribuindo para uma melhora mais rápida do quadro pulmonar. O dispositivo também foi considerado confortável pela paciente, especialmente após as primeiras horas de uso”, destaca o superintendente da ESP/CE e idealizador do modelo, Marcelo Alcantara.

O estudo clínico do Elmo já envolveu 15 pessoas, entre voluntários e pacientes. A aplicação do dispositivo em internados é feita por profissionais de saúde do HLV. Eles foram treinados e são supervisionados por uma equipe de pesquisadores composta por médicos, fisioterapeutas e engenheiros clínicos, sob coordenação da ESP.

O teste em pacientes é autorizado pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) e um dos requisitos exigidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para que o capacete possa ser produzido em escala industrial.

O dispositivo está em processo de licença para produção e comercialização em território nacional. Na semana passada, a força-tarefa do Elmo depositou a patente junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI).

Funcionamento e benefícios

Acomodado ao pescoço do paciente, o Elmo permite ofertar oxigênio a uma pressão definida, ao redor da face. A pessoa em tratamento respira com auxílio da pressurização e oferta de oxigênio. Desse modo, o sistema permite que a melhora na respiração e descarta eventualmente de intubação.

Em países como a Itália, em que dispositivo semelhante é adotado, o equipamento reduziu pela metade a necessidade de ventilação mecânica em pacientes e, consequentemente, a internação em leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTIs).

O modelo foi produzido em tempo recorde graças à união de ciência, tecnologia e inovação. Foram necessários apenas três meses para criação e consolidação do protótipo - na sede do SENAI, no bairro Jacarecanga, em Fortaleza, onde está instalada a Central Ventiladores Mecânicos e Equipamentos Respiratórios (CVMER) -  e a fase de estudos clínicos, prevista para finalizar nas próximas semanas.

O Elmo possibilita ainda mais segurança às unidades de saúde, uma vez que, vedado ao pescoço do paciente, evita que partículas do vírus se espalhem no ambiente e contaminem profissionais. Além disso, o baixo custo atrelado à simplicidade da composição permite a produção em larga escala do equipamento, que ainda pode ser desinfetado e reutilizado.

A Indústria contra o coronavírus: vamos juntos superar essa crise

Acompanhe todas as notícias sobre as ações da indústria no combate ao coronavírus na página especial da Agência CNI de Notícias.

Relacionadas

Leia mais

SENAI presta homenagem a rede voluntária que já consertou mais de 1.800 respiradores hospitalares
As mais lidas de 13 a 19 de julho na Agência CNI de Notícias
Deu Certo! Gamificação melhora aprendizagem de crianças e de adolescentes durante pandemia

Comentários