Moradores do Distrito Federal recebem máscaras de proteção reutilizáveis

O objetivo do uso de máscaras de tecido é reduzir a disseminação do novo coronavírus, causador da covid-19
A fabricação das máscaras está sendo feita por micro e pequenas confecções do DF

O governo do Distrito Federal (GDF) entregou, em terminais rodoviários e em estações do Metrô, as primeiras máscaras de proteção reutilizáveis para população do Distrito Federal. A produção das máscaras é uma iniciativa do Banco de Brasília (BRB) e do Instituto BRB, em convênio com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), o Instituto Euvaldo Lodi (IEL) e o Sindicato das Indústrias do Vestuário (Sindiveste) do DF.

O objetivo do uso de máscaras de tecido é reduzir a disseminação do novo coronavírus, causador da covid-19. O convênio entre as instituições prevê que sejam entregues inicialmente 450 mil máscaras. O uso do item já é obrigatório em locais públicos.

“A entrega das máscaras caminha junto com outras ações que o governo local vem fazendo para diminuir a propagação do vírus, como o isolamento social e o fechamento das atividades não essenciais”, afirma o secretário de Mobilidade, Valter Casimiro, que acompanhou a entrega em alguns terminais. Ele explica que a escolha dos pontos de distribuição se deu por conta da alta circulação de pessoas.

“O transporte público atende cerca de 650 mil cidadãos diariamente. Por isso, é fundamental o cuidado com esse público.”

A dona de casa Leila Maria da Silva, de 28 anos, foi até o terminal rodoviário do P Sul, em Ceilândia, buscar a proteção para toda a família, acompanhada de dois dos quatro filhos. “A máscara é importante para a segurança da nossa saúde e sem essa ajuda não conseguiria comprar. O custo é caro e minha prioridade é a alimentação. Agora vou sentir mais segurança quando precisar sair com as crianças.”

Leila Maria da Silva e os dois filhos garantiram os EPIs

Já o motorista de ônibus Francisco Santos, de 41 anos, acredita que a iniciativa evidenciou o quão é importante o cuidado com o próximo. “Desde o início da pandemia eu já respeitava as orientações dos órgãos de saúde e aderi como hábito o uso da máscara, e, agora, ver que todos também têm de cumprir a exigência me deixa aliviado. Afinal, minha maior preocupação é com aqueles que deixo em casa para vir trabalhar”, disse.

Produção dos equipamentos de proteção individual

A fabricação das máscaras está sendo feita por micro e pequenas confecções do DF, portes que representam mais de 95% do setor do vestuário. Elas foram credenciadas por meio de edital do IEL, que avaliou e validou as competências do negócio, além de ter distribuído a demanda de produção. O SENAI, em parceria com o Sindiveste, deu suporte técnico às empresas e está recebendo os produtos prontos e fazendo o controle de qualidade antes da entrega final.

As três instituições são responsáveis pela gestão e distribuição dos insumos às empresas.

A Brisa Uniformes é responsável pela fabricação de cinco mil máscaras no DF

A Brisa Uniformes é uma das confecções que trabalha na força-tarefa e é responsável pela fabricação de cinco mil máscaras. “A ação beneficia o pequeno negócio, que precisa se manter e pagar os funcionários, ou seja, está movimentando o setor produtivo. Também ajuda àqueles que não têm condição de comprar uma máscara e o governo, no combate à covid-19”, afirma o microempresário Amadeu Silva.

Ele conta, ainda, que a iniciativa fomentou o portfólio de trabalho, pois agora ele tem mais uma especialidade a oferecer. A Brisa tem cinco funcionárias fixas, sendo quatro costureiras.

A Indústria contra o coronavírus: vamos juntos superar essa crise

Acompanhe todas as notícias sobre as ações da indústria no combate ao coronavírus na página especial da Agência CNI de Notícias.

Relacionadas

Leia mais

Indústria doa cestas básicas para comunidades do Pará
SESI orienta indústrias para o momento de retomada das atividades
SENAI auxilia criação de spray que protege superfícies da contaminação por Covid-19

Comentários