Indústria têxtil doa 300 mil máscaras para pessoas carentes de Goiás

A iniciativa objetiva contribuir com a proteção da população em vulnerabilidade social da região, por meio da doação e do incentivo ao uso de máscaras
Cia. Hering aumenta doações e direciona 300 mil máscaras a Goiás

Em reforço às ações solidárias tão imprescindíveis no combate à covid-19, a Cia.Hering direcionou parte de sua produção - que opera de acordo com todos os padrões de higiene e distanciamento social recomendados pelos órgãos de saúde -, para confeccionar 300 mil máscaras de tecido e doá-las à população em vulnerabilidade social de Goiás, por meio da Organização das Voluntárias de Goiás (OVG), estado onde a companhia possui unidades produtivas e centro de distribuição.

A iniciativa objetiva contribuir com a proteção de pessoas carentes da região, por meio da doação e do incentivo ao uso de máscaras, além de colaborar com o amparo das famílias goianas em situação de vulnerabilidade social.

A distribuição das doações será feita pela OVG, iniciativa que existe há mais de 70 anos e oferece assistência social para reduzir a desigualdade e a vulnerabilidade socioeconômica e disseminar a cultura do voluntariado, que receberá as máscaras de tecido produzidas pela Hering na primeira quinzena de maio. Segundo o IBGE, Goiás tem uma população de mais de 7 milhões de pessoas.

Esta é a segunda ação da companhia em prol da comunidade. No fim do mês passado, a empresa anunciou a produção e a doação de uniformes a unidades de saúde de Santa Catarina, Goiás e Rio Grande do Norte.

Já a Hering, marca gerida pela Cia. Hering, lançou, no início de abril, as “Camisetas com Amor”, em que 100% do lucro foi revertido para a compra de ventiladores pulmonares e, neste momento, comercializa uma coleção especial de Dia das Mães denominada “Amor Essencial”, que destinará parte do lucro à CUFA – Central Única de Favelas, em auxílio às mulheres atendidas pelo projeto “Mães de Favela”.

A confecção de máscaras caseiras também aumentou

Higienizar a máscara também é importante

Federação das Indústrias do Estado do Piauí (FIEPI) e as autoridades avisam que, apesar de aliadas no combate ao coronavírus, as máscaras não são 100% eficazes. É preciso redobrar a atenção na hora de utilizá-las e higienizá-las.

Para aumentar a eficácia, o Ministério da Saúde dá algumas orientações:

  • As máscaras devem ser produzidas em tecidos como os de saco de aspirador; cotton (composto de poliéster 55% e algodão 45%); algodão (como camisetas 100% algodão) e fronhas de tecido antimicrobiano.
  • Elas devem cobrir totalmente a boca e o nariz e estar bem ajustadas ao rosto, sem espaços nas laterais.

Além disso, é necessário ter cuidado com o uso e a higienização do equipamento de proteção individual.

  • Em primeiro lugar, elas são de uso pessoal, não devem ser compartilhadas mesmo para pessoas da mesma família.
  • Devem ser trocadas a cada duas horas ou quando sujas e, depois de ajustadas, não devem mais ser tocadas para evitar infecções.
  • Antes de tirá-las, lave as mãos com água e sabão.

Essas e outras informações estão disponíveis no site da FIEPI e do Ministério da Saúde.

A Indústria contra o coronavírus: vamos juntos superar essa crise

Acompanhe todas as notícias sobre as ações da indústria no combate ao coronavírus na página especial da Agência CNI de Notícias.

Relacionadas

Leia mais

SENAI do Rio Grande do Sul doa 800 protetores faciais
VÍDEO: A indústria contra o coronavírus - case túnel de desinfecção SENAI Cimatec
SENAI oferece cursos online para trabalhadores com contratos suspensos

Comentários