Entidade jurídica arrecada fundos para aquisição de insumos de saúde

A campanha do Centro Brasileiro de Mediação e Arbitragem conta com a adesão de juízes, procuradores, promotores, professores universitários, advogados, árbitros e da FIRJAN
Os EPIs serão doados para a rede pública de saúde do Rio de Janeiro

Para conter a pandemia da covid-19, o Centro Brasileiro de Mediação e Arbitragem (CBMA) iniciou uma campanha de arrecadação de fundos para a compra de equipamentos de proteção individual (EPIs) e de insumos para hospitais das redes públicas de saúde do Rio de Janeiro. 

A ideia - que já conta com a adesão de juízes, procuradores, promotores, professores universitários, advogados, árbitros e da Federação das Indústrias do Estado Rio de Janeiro (FIRJAN) - é mobilizar as comunidades jurídica e empresarial em solidariedade aos esforços do poder público.

Só nos dez primeiros dias da iniciativa, o valor arrecadado possibilitou a compra de cinco mil máscaras do tipo faceshield (protetor facial também chamado de capacete), produzidas pela Hightech Comunicação Visual. O material foi doado para a Secretaria de Estado de Saúde do Rio para distribuição em 17 hospitais e em 30 unidades de pronto atendimento (UPAs) das regiões Metropolitana e dos Lagos.

“Tenho certeza de que esse apoio terá um impacto positivo no enfrentamento ao novo coronavírus. Com a sociedade mobilizada, vamos vencer essa guerra”, disse o secretário Edmar Alves dos Santos, que entregou as primeiras máscaras ao Hospital Universitário Pedro Ernesto, vinculado à Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

De acordo com o CBMA, ainda essa semana 12 toneladas de álcool em gel serão entregues, sendo que uma tonelada será destinada ao Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (INTO), seis irão para os hospitais estaduais e outras cinco para unidades geridas pela prefeitura do Rio. A iniciativa prevê também a entrega de 2.400 frascos de 100 ml de álcool em gel para a Clínica da Família da Rocinha, na capital.

“A sociedade civil tem o dever de minimizar o impacto dessa crise sobre as classes mais vulneráveis da população. É uma questão de solidariedade, de responsabilidade social. Precisamos unir esforços em um momento tão desafiador. Toda a ajuda é bem-vinda”, explicou o presidente do CBMA, Gustavo Schmidt.

O valor arrecadado já possibilitou a compra de cinco mil protetores faciais até agora

A Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (FIRJAN) participa do grupo formado por pesquisadores de diversas instituições, reunido para discutir e trabalhar no desenvolvimento e na produção de equipamentos para suporte aos profissionais de saúde envolvidos no atendimento aos pacientes infectados pela covid-19. O objetivo é utilizar a tecnologia de impressão 3D para a produção de EPIs.

Mobilizadas pela FIRJAN em parceria com o Sindicato da Indústria de Material Plástico (Simperj), várias indústrias continuam com a fabricação das faceshields, com capacidade de produção diária mais de, pelo menos, quatro mil itens. A ação faz parte do Programa Resiliência Produtiva, uma iniciativa que busca preservar a capacidade produtiva das empresas e minimizar os impactos da crise provocada pelo coronavírus.

A Indústria contra o coronavírus: vamos juntos superar essa crise

Acompanhe todas as notícias sobre as ações da indústria no combate ao coronavírus na página especial da Agência CNI de Notícias.

Relacionadas

Leia mais

FAB transporta respiradores hospitalares que serão consertados pelo SENAI
SENAI mobiliza a indústria para aumentar fabricação de equipamentos de proteção
VÍDEO: A indústria contra o coronavírus - case conserto de ventiladores pulmonares

Comentários