Embaixador do Chile vê oportunidades para reforçar as relações comerciais com o Rio Grande do Sul

Fernando Schmidt Ariztía participou de evento na Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS)
Embaixador Fernando Schmidt Ariztía se reuniu com Gilberto Porcello Petry e participou de evento na FIERGS

Sexto destino das exportações do Rio Grande do Sul em 2018, o Chile comprou US$ 489 milhões em produtos gaúchos no ano passado, aumento de 5,58% na comparação com 2017. Ao mesmo tempo, do Brasil, foram adquiridos US$ 6,38 bilhões no período, incremento de 27% que colocou o país como quinto maior vendedor aos chilenos.

Para reforçar esta relação comercial, o embaixador do Chile no Brasil, Fernando Schmidt Ariztía, esteve com o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Gilberto Porcello Petry, e industriais gaúchos, nesta terça-feira (12), em evento na sede da entidade que debateu as oportunidades de negócios para o RS especialmente a partir do Acordo Amplo de Livre Comércio (ALC) entre os dois países, assinado em novembro do ano passado.

"Há como potencializar as relações econômicas e comerciais com o Rio Grande do Sul”, disse o embaixador, lembrando que o Chile é o principal investidor latino-americano no Brasil, com mais de US$ 35,23 bilhões em 2017. “Acreditamos em um forte incremento dos negócios entre o Rio Grande do Sul e o Chile, além da tradicional parceria existente, com uma atuação de complementaridade, dentro do espírito convergente do próprio Acordo, que também visa ampliar o diálogo do Mercosul com a Aliança do Pacífico”, destacou Petry. 

ACORDO DE LIVRE COMÉRCIO – Schmidt espera que a partir de março, com a visita do presidente Jair Bolsonaro ao Chile, o ALC possa ser ratificado rapidamente. “Não é fácil, porque existem prioridades muito urgentes nos dois países, mas faremos todo o possível para que o acordo entre em vigor logo, eliminando burocracia, trazendo postos de trabalho e desenvolvimento”, observou.

Pelo novo acordo, os dois países assumem compromissos em 24 áreas não tarifárias, que vão desde a facilitação de comércio e o comércio eletrônico à eliminação de cobrança de roaming internacional para dados e telefonia móvel. Prevê, ainda, barreiras não tarifárias e incentivo à maior participação de micro, pequenas e médias empresas. 

Gilberto Petry informou ao embaixador que a FIERGS, em conjunto com a Sociedade de Fomento Fabril do Chile (Sofofa), organiza uma missão empresarial gaúcha para o país vizinho, no final de maio ou início de junho. “Quanto mais se conhece a outra parte, melhores são os negócios a fazer, e o Chile é um parceiro confiável, que honra seus compromissos”, afirmou. 

O gerente de Negociações Internacionais da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Fabrizio Panzini, comentou que a relação comercial brasileira com o Chile é muito importante regionalmente para o Rio Grande do Sul, e que a ampliação e melhoria dos acordos comerciais do Brasil é prioridade na Agenda Internacional da Indústria. “O Chile é um parceiro de longa data, estando entre os cinco maiores no comércio de bens”, salientou. 

O gerente internacional da Sofofa, Pedro Reus, também participou do evento, promovido pela FIERGS, por meio do Conselho de Comércio Exterior (Concex), juntamente com o Consulado do Chile no Estado, e apoio da Câmara de Comércio e Indústria Brasil Chile. 

Relacionadas

Leia mais

No SESI, Gustavo Borges fala sobre sonhos e busca por resultados
5 maneiras de aumentar a produtividade da indústria com ações de baixo custo
CNI e Sebrae abrem vagas em projetos para beneficiar micro e pequenas empresas

Comentários