Instituto SENAI de Inovação em Biomassa desenvolve sanitizante a partir de bio-óleo da macaúba

O produto poderá ser utilizado para esterilização de áreas comuns como calçadas, bancos e veículos de transporte público
"Vamos conseguir chegar a um novo biossanitizante com uma nova formulação de custo mais baixo e vai nos possibilitar ganhar em escala" - Carolina Andrade

A pandemia mundial do novo coronavírus fez com que aumentasse a demanda por produtos de higiene, especialmente por aqueles denominados sanitizantes, que têm ação antibactericida e antifúngica. Atento a essa realidade, o Instituto SENAI de Inovação em Biomassa (ISI Biomassa), localizado em Três Lagoas (MS), está desenvolvendo um projeto para produção de um biossanitizante a partir do bio-óleo da macaúba, que poderá ser utilizado para esterilização de áreas comuns como calçadas, bancos e veículos de transporte público.

Segundo a diretora do ISI Biomassa, Carolina Andrade, o projeto é desenvolvido em parceria com a empresa Soleá e com apoio da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii). “Ele enquadra-se na chamada de projetos de inovação fomentados pela Embrapii em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI). Essa parceria vai nos possibilitar desenvolver um biossanitizante cuja origem será de resíduos do processamento de macaúba. Com isso, vamos conseguir chegar a um novo biossanitizante com uma nova formulação de custo mais baixo e vai nos possibilitar ganhar em escala”, afirmou.

O pesquisador do ISI Biomassa, Hélio Merá de Assis, explica que o bio-óleo será obtido pelo processo de pirólise rápida, um processo de degradação de material por aquecimento, de resíduos do beneficiamento da macaúba.

“O biossanitizante que será produzido é uma alternativa sustentável para produtos químicos não renováveis e nocivos ao meio ambiente. Este novo produto possui características eco-friendly e usa como matéria-prima uma biomassa de baixo custo”, ressaltou.

O biossanitizante poderá ser utilizado para esterilização de áreas comuns como calçadas, bancos e veículos de transporte público

Na avaliação do responsável pela área de desenvolvimento, tecnologia e novos negócios da Soleá, Luis Eduardo Ravaglia, o momento que o mundo vive é extremamente delicado, mas também pode ser visto como uma oportunidade de gerar mais inovação.

“Acredito que o desenvolvimento desse novo produto poderá nos ajudar ainda num problema futuro. Vejo a biomassa com um potencial enorme e o Brasil precisa ser pioneiro nessa área. Nosso objetivo com esse projeto, depois de concluído, é ampliar nosso portfólio, que é todo voltado para o beneficiamento da macaúba, e ter mais opções de produtos para o mercado”, concluiu.

A Indústria contra o coronavírus: vamos juntos superar essa crise

Acompanhe todas as notícias sobre as ações da indústria no combate ao coronavírus na página especial da Agência CNI de Notícias.

Relacionadas

Leia mais

Nova Plataforma Inovação para Indústria vai investir R$ 54 milhões em projetos inovadores
Indústrias de pequeno e médio porte mostram garra e preparo no enfrentamento à pandemia
FNDCT é fundamental para avanço da inovação e desenvolvimento do Brasil

Comentários