Brasil precisa dos empresários para retomada do crescimento, afirma Michel Temer, na MEI

Presidente da República participou da primeira reunião do ano da Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), nesta sexta-feira (17), em São Paulo
“É do interesse de todos que o governo e o setor produtivo estejam articulados e a MEI tem sido um espaço efetivo entre os setores privado e público para fortalecer a inovação” - Robson Braga de Andrade

A indústria precisa protagonizar o crescimento do Brasil. A convocatória foi feita pelo presidente da República, Michel Temer, em discurso de encerramento da primeira reunião do Comitê de Líderes da Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI) de 2017, nesta sexta-feira (17). Temer falou a mais de 220 representantes de 101 grandes e médias empresas brasileiras. A MEI é coordenada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) desde a fundação, em 2008.

Segundo o presidente, o país está retomando a confiança, influenciado sobretudo por ajustes econômicos – limite de gastos públicos, queda na inflação e reformas estruturais. “O Brasil precisa dos senhores e senhoras para construirmos o país. Inovar tecnologicamente é desenvolver a indústria e desenvolver o país”, disse Temer.

Ele lembrou que outras pautas precisam avançar para garantir desenvoltura à economia em médio e longo prazos, entre elas as reformas trabalhista e da Previdência Social. “A reforma da Previdência é fundamental. Temos estados que estão quebrando por causa disso, como Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul”, reiterou.

O presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, afirmou que a indústria quer participar ativamente do reaquecimento econômico e elogiou as medidas de melhoria do ambiente de negócios do país. “É do interesse de todos que o governo e o setor produtivo estejam articulados e a MEI tem sido um espaço efetivo entre os setores privado e público para fortalecer a inovação”, disse o líder da CNI. “Apoiamos as reformas propostas e acreditamos que elas são fundamentais para dar mais competitividade à economia brasileira”, analisou Robson Braga de Andrade.

DESENVOLVIMENTO – Principal fonte de financiamento da indústria, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) foi representado pela presidente da instituição, Maria Silvia Bastos Marques. De acordo com ela, o banco passou por grande reformulação de políticas e linhas de financiamento. Ela destacou maior atuação da instituição junto a empresas de micro e pequeno portes.  “Desembolsamos R$ 3 bilhões especialmente para pequenos negócios, cujo desempenho é fundamental para a economia e o emprego no país”, avaliou.

O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, ressaltou  que a MEI se consolidou como um espaço de articulação para atuação conjunta entre instituições públicas e privadas. “Essa reunião representa o que há de melhor no Brasil empreendedor – instituições trabalham cada vez mais de maneira integrada. Aqui a palavra é eficiência, planejamento e inovação”, declarou.

A importância da agenda da inovação foi ressaltada pelo ministro interino da Fazenda, Eduardo Guardia. “ Inovação e produtividade são as bases do crescimento, mas para isso é preciso ter confiança e já tivemos avanços, ancorados sobretudo em medidas que controlam o gasto público, simplificam nosso sistema tributário e desburocratizam o ambiente de negócios”, citou Guardia. Ele frisou que a pasta tem buscado soluções para os entraves sem o aumento de impostos.

Relacionadas

Leia mais

Empresas brasileiras buscam parceria com centros de ponta em inovação e indústria 4.0 da Alemanha
Acordo entre Brasil e Japão vai acelerar exame de patentes
Empresas e startups terão R$ 53,6 milhões do SENAI, do Sebrae e do SESI para investir em inovação

Comentários