Brasil pode deixar importante legado de inovação após a crise do coronavírus

Secretário-executivo do MCTIC, Julio Semeghini, participou de bate-papo virtual promovido pela CNI para debater resultados da última Pesquisa de Inovação, a Pintec
Resultados da sétima edição da Pintec, a recessão econômica foi a principal causa de os investimentos chegarem, em 2017, ao menor nível desde o início do levantamento, em 2002

O Brasil pode deixar um importante legado de inovação após a crise do coronavírus, desde a conectividade de todas as unidades de saúde do país até o crescimento da produção interna de equipamentos e novos reagentes para o setor de saúde.

A afirmação foi feita pelo secretário-executivo do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Julio Semeghini, durante bate-papo ao vivo (confira aqui a íntegra) promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), para debater resultados da última Pesquisa de Inovação (Pintec), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com Semeghini, o Brasil tem uma comunidade científica forte e conectada com as de outros países que está sendo decisiva para acelerar a inovação para atender o aumento da demanda interna. “Se tivéssemos mais articulação dessa rede com a cadeia industrial, esse processo poderia ter sido bem mais rápido”, destacou.

O secretário de Empreendedorismo e Inovação do MCTIC, Paulo Alvim, acredita que o país se tornará um dos mais importantes atores na cadeia produtiva de saúde mundial, com destaque para setores de biotecnologia e bioquímica, com oportunidade de criação novos e melhores empregos. “Esse movimento poderá transbordar para outros segmentos da economia”, disse Alvim. 

"Comunidade científica brasileira é forte e conectada com as de outros países e está sendo decisiva para acelerar a inovação no combate ao coronavírus" - Julio Semenghini, secretário-executivo do MCTIC

SENAI contribui para acelerar inovação no enfrentamento ao coronavírus

Alvim ressaltou o papel do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) no apoio a mudanças de processo no setor em tempo recorde. “Entre os destaques está o apoio à recuperação de, pelo menos, 10% da capacidade de produção de ventiladores e na produção de biopolímeros para substituir o gel importado”, destacou.

Ele ressaltou também a importância do Serviço Social da Indústria (SESI) no apoio à construção de hospitais de campanhas em todo o país.

Outro setor promissor para o Brasil, segundo Alvim, é o de energia. Segundo ele, o país, que já tem a matriz energética mais limpa do mundo, está na fronteira tecnológica de produção de energia a partir da biomassa e tem grande potencial para avançar na geração eólica e solar. “Além disso, estamos sendo forçados a acelerar o processo de transformação digital, que promoverá o teletrabalho e a telemedicina”, acrescentou. 
 

"Papel do SENAI é decisivo no apoio a mudanças de processo no setor industrial em tempo recorde" - Paulo Alvim, secretário do MCTIC

Recessão econômica impactou investimentos em inovação em 2017 

De acordo com os resultados da sétima edição da Pintec, a recessão econômica foi a principal causa de os investimentos chegarem, em 2017, ao menor nível desde o início do levantamento, em 2002, segundo Alessandro Pinheiro, coordenador de Pesquisas Econômicas Estruturais Especiais do IBGE. Em 2017, os investimentos em atividades inovadoras corresponderam a 1,95% das receitas líquidas das empresas, com queda de 17,42% frente ao investido em 2014. 

Pinheiro destacou, ainda, que a valorização cambial contribuiu para o aumento da importação de máquinas e equipamentos e redução de financiamento para inovação no setor. No entanto, ele apontou evolução em alguns resultados do levantamento, como o crescimento da inovação em produtos, a manutenção dos níveis de investimentos em pesquisa e desenvolvimento (P&D) e crescimento do uso da biotecnologia e nanotecnologia. 

Além disso, empresas desses setores se engajaram em arranjos de cooperação em parceria forte com universidades e institutos de ciência e tecnologia, algo não comum na realidade brasileira. “Esses arranjos de cooperação são fundamentais diante das novas tecnologias que exigem competências diversificadas para acelerar o processo inovativo”, explicou Pinheiro. 

"A inovação é o principal vetor de desenvolvimento do Brasil" - Gianna Sagazio, diretora de Inovação da CNI

Cooperação é fundamental para acelerar a agenda de inovação das empresas

Outro desafio que precisa ser encarado pelas empresas, segundo Pinheiro, é a melhora da articulação dentro das empresas com foco no desenvolvimento tecnológico. Para isso, é preciso envolver a alta liderança das organizações para dar o direcionamento, em especial, ao processo de transformação digital. Somente após isso, será possível trabalhar na integração das cadeias.

“As empresas precisam ter forte coordenação e planejamento para ter condições de embarcar na Indústria 4.0”, disse. Pinheiro reconheceu o papel da Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), liderada pela CNI, como fundamental no apoio à transformação digital das empresas brasileiras.

O bate-papo virtual foi mediado pela diretora de Inovação da CNI, Gianna Sagazio, que apresentou o trabalho da MEI articulado com os Institutos SENAI de Inovação, a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), no apoio à aceleração da agenda de inovação no país. 

A MEI conta hoje com cerca de 300 empresas e, além de apresentar propostas de políticas públicas para a inovação, traz ainda ferramentas para apoiar indústrias nesse processo, como o MEI Tools, canal de informação constantemente atualizado sobre instrumentos de financiamento à inovação; e o Programa de Imersões em Ecossistemas de Inovação. “A inovação é o principal vetor de desenvolvimento do Brasil”, afirmou Gianna.

A Indústria contra o coronavírus: vamos juntos superar essa crise

Acompanhe todas as notícias sobre as ações da indústria no combate ao coronavírus na página especial da Agência CNI de Notícias.

Relacionadas

Leia mais

Brasil precisa de uma política estruturada para avançar em ciência, tecnologia e inovação
6 fatos sobre startups e propriedade intelectual no Brasil
Construir política nacional de inovação ganha ainda mais relevância em meio à pandemia, defende CNI

Comentários