Solução para crise no transporte rodoviário de carga passa por mais fiscalização no setor

Estudo da CNI mostra que falta de fiscalização gera excesso de oferta e ociosidade na frota de caminhões. Empresas de frete e motoristas autônomos respondem hoje por 2,3 milhões de veículos no Brasil
A CNI é contra a criação de uma tabela para fixar valores de frete

O transporte rodoviário de carga vive uma crise sem precedentes no Brasil. O aumento na quantidade de transportadores, tanto de autônomos quanto de empresas, levou ao acirramento da concorrência que, em um contexto de queda da demanda e falta de fiscalização, resulta em uma grande ociosidade na frota de caminhões. A situação do setor se agravou com a recessão na economia e chegou a um nível tão crítico de desequilíbrio entre oferta e demanda que há casos de valores de frete praticados abaixo do custo operacional dos transportadores.

Na avaliação da Confederação Nacional da Indústria (CNI), a solução para o problema passa pela remoção das distorções existentes no mercado, por meio de maior rigor na aplicação das leis e normas que regulam essa atividade.

A CNI defende que o poder público exerça com eficiência a fiscalização sobre a atividade de transporte, a fim de eliminar fatores que afetam negativamente o funcionamento do mercado e que permitem transportadoras menos eficientes a permanecerem em operação, embora de forma precária. Para a CNI, é preciso que as autoridades públicas intensifiquem a verificação do peso dos caminhões, combatam a sonegação de impostos e implantem a inspeção técnica de veículos, como previsto no Código de Trânsito Brasileiro (CTB), de 1997.

Não se trata de determinar a inspeção anual de toda a frota de veículos comerciais, o que inviabilizaria o procedimento ou o tornaria mera formalidade, mas sim estabelecer periodicidades diferenciadas, com intervalos decrescentes de acordo com a idade do veículo”, destaca o estudo inédito da CNI Transporte Rodoviário de Carga (TRC): características estruturais e a crise atual.

De acordo com o estudo, as distorções do setor ficam acentuadas nos mercados mais competitivos, em razão da existência de transportadores atuantes no mercado dispostos a aceitar fretes significativamente mais baixos do que os praticados no mercado. O trabalho revela que o impacto da crise sobre o setor é ampliado pelos encargos assumidos pelos caminhoneiros em função de dívidas contraídas para a compra de veículos, bem como pela elevação de custos resultante das alterações na regulamentação da profissão de motorista, que reduziu o tempo máximo de direção e alterou as condições de trabalho.

A expansão da oferta nos últimos anos, induzida pelos incentivos governamentais concedidos à venda de veículos comerciais, em conjunto com a forte contração da demanda decorrente da queda na atividade econômica, resultaram em um significativo desequilíbrio entre oferta e demanda nos mercados de transporte rodoviário de carga”, afirma o gerente-executivo de Infraestrutura da CNI, Wagner Cardoso.

BARREIRAS DE MERCADO – O estudo aponta que a inexistência de barreiras à entrada no mercado – que não requer escalas e investimentos elevados – e a ampla possibilidade de recuperação dos investimentos realizados limitam a margem de lucros das empresas e dificultam a eliminação de operadores ineficientes.

Apesar de não caber intervenção do poder público para regular a concorrência desse mercado, deve-se aumentar a fiscalização quanto à qualidade do serviço com o enfoque da defesa do consumidor. “É exatamente a ineficácia dos mecanismos de mercado que impede que os transportadores menos eficientes e que não obedecem a legislação sejam eliminados”, diz o trabalho da CNI.

A possibilidade levantada de se criar uma tabela para fixar valores de frete não é apoiada pela CNI, entre outras razões pelo fato de que, na avaliação da confederação, não resultará em efetividade para o setor. “A proposta de tabelamento do frete, além de infringir preceito constitucional, por se contrapor ao princípio da livre-iniciativa, é ineficaz, na medida em que não corrige o problema de excesso de oferta de caminhões no mercado causado pela falta de fiscalização”, alerta o estudo.

NÚMEROS – De acordo com os dados mais recentes sobre o setor de transporte de carga, 582 mil caminhões têm idade superior a 20 anos. A frota das empresas transportadoras de carga (ETCs) tem em média 10,3 anos, enquanto a dos transportadores autônomos de cargas (TACs) possui média de 18 anos. Segundo números da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), mais de 1 milhão de transportadores são registrados no país, sendo 919 mil autônomos e 188 de empresas. No entanto, a frota total de veículos dedicados ao transporte rodoviário de cargas é estimada em 2,3 milhões de caminhões (veja os detalhes no quadro da página 15 do estudo). 

Pesquisa da NTC&Logística mostra que, em 2015, houve redução média de 9,5% no volume de carga transportada pelas empresas. O levantamento aponta que 11,3% dos veículos estão parados. Em relação aos preços praticados, 36% das empresas aumentaram o valor do frete, 28% não reajustaram e outras 36% concederam algum desconto. Os números revelam que 35% dos autônomos têm veículos próprios ainda não quitados e, como consequência, apresentam um nível de custo que os coloca em condições competitivas desfavoráveis. Os dados também destacam que 65% dos TACs não cumprem o tempo de descanso previsto na legislação. O percentual, no caso dos empregados de ECTs, é de 35%.

PROPOSTAS DA CNI

• Maior fiscalização relativa ao cumprimento da Lei nº 13.103/2015, assegurando-se que seja observada não apenas pelas empresas transportadoras, mas também pelos autônomos;

• Intensificação da fiscalização do peso dos veículos de carga que trafegam nas rodovias federais, acelerando a implantação de novos postos de pesagem de veículos;

• Utilização das possibilidades abertas pela exigência de emissão do Conhecimento de Transporte Eletrônico (CTe) no combate à sonegação de impostos;

• Implementação, em todo o país e para toda a frota comercial, da inspeção técnica de veículos, como determinado pelo CTB de 1997, com periodicidades diferenciadas e intervalos decrescentes de acordo a idade, tendo como consequência o cancelamento da inscrição no Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Cargas (RNTRC) do veículo não aprovado na inspeção e que não tenha se adequado às normas no prazo que lhe for concedido.

SAIBA MAIS - Faça o download do estudo Transporte Rodoviário de Carga (TRC): características estruturais e a crise atual.

Relacionadas

Leia mais

5 cursos do SENAI para você ganhar dinheiro com as delícias do Natal
Números de acidentes devem ser considerados para priorização de investimentos em rodovias, avalia Conselho da CNI
CNI vence categoria regional do Prêmio Aberje pelo lançamento da Agenda Legislativa 2017

Comentários