SENAI abre vagas gratuitas em curso a distância de Segurança Cibernética

Programa em parceria com a CISCO oferece capacitação e selecionará jovens para segunda etapa de qualificação. Melhores candidatos poderão ser selecionados por empresas parceiras da multinacional
O curso é uma forma de qualificar jovens profissionais para poderem evitar ciberataques

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e a multinacional Cisco Brasil firmaram uma parceria voltada à capacitação de profissionais para trabalhar com segurança cibernética. O Programa CiberEducação Cisco do Brasil tem o objetivo de ampliar a oferta de jovens profissionais com esse tipo de qualificação para a indústria brasileira, uma vez que houve um aumento nos ciberataques durante o período de pandemia.

Após primeira etapa introdutória, 2 mil alunos seguirão para um processo de avaliação profissional, divididos em duas ondas que ocorrerão em 2020 e 2021. Os melhores alunos serão selecionadas para vagas em empresas parceiras da Cisco ou outras organizações interessadas em absorver estes profissionais.

“Em nossas permanentes conversas com o mercado, com os 28 setores industriais, a gente percebe o quão importante é a preparação de profissionais para trabalhar nesse tipo de função”, explica o diretor de operações do SENAI, Gustavo Leal, destacando que a Segurança de Dados se tornou prioridade para as indústrias.

“O Programa CiberEducação Cisco Brasil dará oportunidade para milhares de jovens interessados em ingressar em um segmento em constante crescimento, que é o de cibersegurança, e a parceria com instituições como o SENAI Nacional é fundamental para criarmos um legado educacional na área de TI no Brasil, aumentando a empregabilidade e a inclusão dos estudantes”, afirma Gabriel Bello Barros, líder do Cisco Networking Academy no Brasil.

De acordo com dados da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), entre 2020 e 2024, deverão ser geradas mais de 350 mil novas vagas na área de Tecnologia da Informação (TI), sendo mais de 37 mil delas em Segurança da Informação.

O SENAI já detectou um aumento na preocupação do setor produtivo com relação aos prejuízos que podem surgir por causa da vulnerabilidade de dados. “Ataques a sistema de dados podem causar a interrupção de processos e queda na produtividade. Sem contar com a exposição do nome da empresa, colocando em risco sua credibilidade”, explica Rafael Lucchesi, diretor do SENAI.

Inscrições estão abertas até 28 de agosto no Mundo SENAI

O público-alvo do programa são pessoas que já possuem alguma formação em TI, ou que estejam fazendo o curso técnico ou superior.  A partir de 1º de agosto, os interessados poderão se inscrever no site Mundo SENAI para a primeira etapa de capacitação, chamada Learn-a-Thon.

Serão dois cursos totalmente on-line: Introdução à Cibersegurança (Faça sua inscrição), de 15h de duração, e Fundamentos em Cibersegurança, de 30 h (Faça sua inscrição). Em conjunto com outras instituições associadas ao programa da Cisco, a expectativa dos organizadores é de que mais de  15 mil alunos se inscrevam para esta fase, nas duas ondas do programa.

Melhores alunos concorrerão a vagas de estágio e de emprego

Depois dessa etapa totalmente autoinstrucional –  sem a ajuda de um tutor –, 1 mil alunos (por onda) de todo o Brasil serão selecionados para a segunda fase que formará a nova geração de jovens profissionais em cibersegurança. Os alunos selecionados realizarão dois cursos de educação profissional gratuitos com instrutores SENAI credenciados na Cisco Networking Academy.

No final do processo, os melhores alunos concorrerão a vagas de estágio ou emprego em empresas do ecossistema formado pela Cisco e parceiros. A expectativa é de que no ano que vem seja realizado a segunda onda de capacitação com novas possibilidades de emprego.

Relacionadas

Leia mais

CNI, ABC, Anpei e SBPC lançam manifesto em favor da liberação de recursos para inovação
Reforma tributária ampla e rápida é essencial para o Brasil voltar a crescer, afirma presidente da CNI
Choque de inovação

Comentários