Júlia venceu o medo de sangue e sonha em ser médica

Jovem se apaixonou pela profissão ao estagiar em clínicas, hospitais, maternidades e centros cirúrgicos
Júlia nasceu em Brasília, mas mora em Belo Horizonte

A exemplo de muitos jovens brasileiros, a brasiliense Júlia Gabriela dos Santos, 19 anos, estava concluindo o ensino médio, mas tinha muitas dúvidas sobre a carreira profissional que gostaria de seguir. "Gostava de biologia, química e de matemática. Mas não sabia o que queria", conta ela, que mora em Belo Horizonte. A oportunidade de tomar uma decisão surgiu quando Júlia ficou sabendo que o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial ( Senac ) estava fazendo a seleção de estudantes para o curso técnico gratuito de Enfermagem.

A jovem participou do processo e foi aprovada, embora a ideia de ser enfermeira a assustasse um pouco. "Eu tinha receio de lidar com sangue", conta Júlia. Mas a mãe, que trabalha em uma farmácia de Belo Horizonte, incentivou a filha a fazer o curso. “No começo, fui influenciada pela minha mãe, tinha medo de não me adaptar. Comecei a estudar, pensando que, se não gostasse, poderia seguir para outra área. Mas quando comecei a visitar os hospitais, passei a amar a profissão”, diz.

Hoje, depois de vários estágios por clínicas, hospitais, maternidades e centros cirúrgicos, a jovem não se imagina em outra profissão. “Ver um sorriso no rosto do paciente e aquele olhar de agradecimento é algo muito gratificante. Já aconteceu de paciente pedir para ficar sempre ali perto do leito, para não ir embora. Tudo isso me deixa muito feliz”, afirma Júlia.

Um profissional de enfermagem aplica injeção, faz curativos, administra medicação por sonda, entre outras atividades. Segundo Júlia, o mercado para técnico de Enfermagem é muito bom. Todos os 16 alunos da turma dela estão empregados. “Tenho uma profissão, trabalho na área e, com isso, posso pagar um curso superior, além de me sustentar”, argumenta.

No futuro, Júlia pretende cursar Medicina. “É o meu sonho. Não vou desistir”, afirma. Para ela, o fato de atuar como enfermeira fará toda a diferença quando se tornar médica. “Vou ver os profissionais de enfermagem com outros olhos, sabendo das dificuldades que eles enfrentam".

VALORIZAÇÃO DA VIDA – A jovem treina oito horas por dia para as provas da ocupação de Cuidados de Saúde e Apoio Social. Ela acredita que terá um bom resultado na WorldSkills.  Ao longo dos treinamentos, a competidora viveu um momento difícil: quando o pai adoeceu e perdeu a visão. Ela não teve como ajudar, porque não podia parar o treinamento. Felizmente, depois de um tempo, o pai recuperou a visão. “Minha profissão é cuidar das pessoas, mas não tive como dar atenção para uma das pessoas que mais amo nessa vida. Mas, ele entendeu a minha ausência. Quando vê as medalhas que já conquistei nas competições de educação profissional fica todo orgulhoso".

Júlia diz que a profissão lhe ensinou muito mais que o conhecimento técnico. "Aprendi a valorizar mais as pessoas, os momentos que vivemos. A gente vê o quanto dependemos dos outros. Quando estamos em uma cama de hospital somos muito frágeis", diz a competidora.  "Por isso, é importante cuidar da saúde e aproveitar bem cada momento e cada oportunidade que a vida nos dá”, finaliza.

A WORLDSKILLS - O Brasil será representado por 56 jovens profissionais técnicos na 43ª edição da WorldSkills Competition, que será realizada em São Paulo de 11 a 16 de agosto. Essa é a maior delegação já reunida pelo país para a competição. Na WorldSkills, os 1.200 competidores, todos com menos de 22 anos de idade, de 62 países, disputam medalhas em 50 profissões da indústria e do setor de serviços.

Ao longo de quatro dias de provas, eles precisam alcançar índices de excelência ao executar tarefas semelhantes às que realizariam em situações reais do dia a dia das indústrias ou no setor de serviços. Todos são avaliados pelas habilidades técnicas e pessoais.

SAIBA MAIS - Saiba tudo sobre a WorldSkills São Paulo 2015. Acesse o site da disputa. Para conhecer os outros competidores brasileiros, acesse o site da Olimpíada do Conhecimento/WorldSkills, do SENAI.

 

Relacionadas

Leia mais

Guilherme deixou o futebol para seguir carreira na indústria
Carlos planeja trabalhar como engenheiro no Canadá ou Austrália
Evandro transformou a brincadeira de menino em profissão

Comentários