Inovações ajudam crianças e jovens a aprender na prática

Tecnologias empregadas pelo SESI e apresentadas durante a Olimpíada do Conhecimento, em Brasília, tornam aprendizado mais interessante ao permitir que estudantes se tornem solucionadores de problemas reais
Theo de Lucena, 9 anos, resolveu diversos desafios de montagens de peças geométricas

Theo de Lucena, 9 anos, passou praticamente o tempo inteiro que esteve na Olimpíada do Conhecimento, realizada pelo Serviço Social da Indústria (SESI) e pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), resolvendo desafios de montagens de peças geométricas no Espaço Maker. Ele, que já tem gosto por montar carrinhos, casas e bonecos com peças Lego, sabe o benefício que essa brincadeira traz. “Sei que ajuda a desenvolver o raciocínio matemático”, disse.

O interesse e concentração do aluno por aprender, desejável por todo o professor em sala de aula, são os principais ganhos do Espaço Maker, cuja proposta é que estudantes desenvolvam soluções práticas a partir de problemas reais. E essa já é uma realidade vivenciada em escolas do SESI, que apresentaram projetos durante o evento que encerra neste domingo (8), em Brasília.

Na escola de Blumenau (SC), o Espaço Maker funciona no contraturno das aulas regulares e é aberta para estudantes de outras escolas. Lá, crianças e jovens desenvolvem de forma divertida competências e habilidades nas áreas de matemática e games, comunicação e mídias, tecnologias, robótica e ciências. Pólux Baptista, 16 anos, frequenta o espaço desde o começo de 2017, quando foi inaugurado. “Quando chegamos, ficamos resolvendo os desafios que os professores propõem de encaixe de peças, depois somos desafiados a produzir os materiais e, no último estágio, elaboramos o desafio e o resolvemos, com a confecção de peças.”

“Cada aluno pode se especializar em uma área de seu interesse e recebe apoio por uma equipe de professores de áreas diversas como Engenharia, Psicologia, Pedagogia e Design”, explica o engenheiro Ângelo Michelin, que é professor no Espaço Maker. “Nesses locais os professores partem do princípio de que não sabem tudo e precisam aprender uns com os outros e com os alunos também.”

“Nesses locais (Espaço Maker) os professores partem do princípio de que não sabem tudo e precisam aprender uns com os outros e com os alunos também", afirma o engenheiro Ângelo Michelin

MATEMÁTICA – Outra atração foi o espaço SESI Matemática, trazido pelo SESI do Rio de Janeiro, com equipamentos lúdicos adquiridos do Museu de Matemática de Nova Iorque. Um dos equipamentos ajuda os alunos a desenvolverem funções matemáticas a partir de um número inicial inserido de um dos lados da máquina e a proposta de resultado final esperado. A outra tecnologia apresenta propostas de formas geométricas para cortes em peças a partir da visualização da luz do laser. “O objetivo é estimular o aprendizado de matemática, vista como chata, por um visual mais colorido e de forma lúdica”, explica o professor Vinícius Mano.

“O objetivo é estimular o aprendizado de matemática, vista como chata, por um visual mais colorido e de forma lúdica”, explica o professor Vinícius Mano

Miguel Antônio Barros, 9 anos, gostou da máquina de resolução de problemas e afirmou que, se tivesse algo assim na escola, o aprendizado seria muito mais interessante. “Eu gosto de matemática, mas, com certeza, isso ajudaria àqueles que têm mais dificuldade com o assunto”, declarou.

No espaço do LaborLab, que é um laboratório aberto de inovações trazido pelo SESI de São Paulo, alunos e professores começaram a desenvolver uma peça para o problema real de um visitante da Olimpíada: um sistema a laser para ajudar um pai que precisa aplicar medicamento intravenoso no filho com Síndrome de Down. “Já começamos a imprimir a peça na impressora 3D e terminaremos na escola em São Paulo para enviar a ele”, contou o professor Lucas Piovani.

A impressora 3D, que os próprios alunos produzem no LaborLab com peças impressas, também imprimiu partes de um óculos com sensores de barreiras para cegos, que foi entregue a um visitante com deficiência visual. “É emocionante ver o quanto jovens e crianças podem ajudar outras pessoas com soluções aparentemente simples”, afirmou o supervisor técnico da rede de Fablabs do SENAI em São Paulo, Anderson Macorin.

INOVAÇÃO – O proprietário da empresa de automação Auttoms, Gilvan Menegotto, que visitou o espaço, destacou que o aprendizado prático é fundamental para promover a inovação. A Auttoms apresentou, na área de recursos naturais da Olimpíada do Conhecimento, uma peça didática que reproduz um sistema de energia eólica para a educação profissional. “As tecnologias permeiam todas as áreas, mas principalmente a educação. Um exemplo é a realidade virtual de uma plataforma de petróleo, que traz todas as variáveis para que um jovem vivencie uma situação real no ambiente de trabalho.”

Relacionadas

Leia mais

Programa SESI Matemática muda forma de ensino e reduz número de alunos em recuperação
SESI e SENAI vão construir complexo voltado à inovação em Brasília
7 vantagens do método de educação de jovens e adultos do SESI

Comentários