Estudantes de Alagoas desenvolvem bota magnética e calça com eletroestimulação para astronautas

Projetos serão apresentados no Festival SESI de Robótica, competição que explora a temática espacial e será realizada entre os dias 15 e 17 de março, no Rio de Janeiro
Um dos profissionais que validou o projeto da equipe Robocamb é o ministro da Ciência, Tecnologia e Comunicações, Marcos Pontes.

Cinco alunos, um professor e uma bota magnética capaz de deixar um astronauta firme no chão, em meio à falta de gravidade, durante uma missão espacial. É esse projeto, dos alunos Eduardo Mamede, Isabel Bueno, Iasmin Natalia, Jonathan Alves, Leonardo Rafael, orientados pelo professor João Víctor Laurindo Dantas, da escola SESI Cambona, levarão ao Torneio SESI de Robótica FIRST® LEGO®, no Rio de Janeiro, entre os dias 15 e 17 próximos. A competição explora a temática espacial.

Outras três equipes das escolas SESI e SENAI de Alagoas participam da competição. A Robocamb, por exemplo, se empenhou em criar um projeto para solucionar um dos dez problemas mais comuns em viagens para o espaço, de acordo com a Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço, agência do governo dos Estados Unidos responsável pela pesquisa e desenvolvimento de tecnologias e programas de exploração espacial, a conhecida NASA.

Trata-se de uma barreira protetora contra os raios interespaciais de alto nível de radiação que prejudicam os astronautas no espaço. O projeto foi revalidado por vários profissionais, entre eles o ministro da Ciência, Tecnologia e Comunicações, o astronauta Marcos Pontes.

Já a Roboben, da escola SESI e SENAI do Benedito Bentes, desenvolveu uma calça com eletroestimulação para prevenir a diminuição dos músculos das pernas em astronautas. Segundo a Nasa, entre os problemas enfrentados por eles durante missões espaciais, está a atrofia muscular, ocasionada pela baixa circulação de sangue nos membros inferiores. Os alunos apresentaram o projeto para a pesquisadora Thais Russomano, referência internacional em medicina espacial.

Para Leonardo Rafael, 16 anos, o torneio vai lhe permitir, e aos demais competidores, novas oportunidades de conhecimento e crescimento profissional e pessoal. “Pude explorar minhas habilidades e conhecer algumas que nem sabia que tinha, como a questão da criatividade, apresentação, inovação, trabalhar com metodologia científica no cotidiano virou normal pra mim, fazendo projeto ou TCC, ou seja, coisas que a gente só iria ver na graduação, estamos vendo no ensino médio”, afirma o aluno do SESI.

Equipe Roboben desenvolveu projeto focado na prevenção da atrofia muscular

FIRST TECH CHALLENGE - A equipe FTCamb, da escola SESI Cambona, fecha o agrupamento das escolas de Alagoas e será pioneira em um novo torneio. Nesta modalidade, os competidores são desafiados a desenhar, programar e construir robôs capazes de realizar tarefas nos mesmos moldes do First Lego, só que, desta vez, eles devem criar máquinas e circuitos com os mesmos equipamentos utilizados por grandes engenheiros.

TORNEIO - O Torneio de Robótica FIRST LEGO é realizado no Brasil há mais de 10 anos e, a cada ano, tem um tema central. Em 2019, a temática é “Into Orbit” - Em órbita. Os participantes terão que trabalhar em cima de soluções para as problemáticas que envolvem o espaço e desenvolver facilitadores para a vida dos astronautas.

A competição é um programa internacional de exploração científica, projetado para fazer com que crianças e jovens de 9 a 16 anos se entusiasmem com ciência e tecnologia e adquiram habilidades de trabalho e de vida. Propõe que estudantes sejam apresentados ao mundo da ciência e da tecnologia de forma divertida, por meio da construção e programação de robôs feitos inteiramente com peças da tecnologia LEGO.

Relacionadas

Leia mais

Equipes do Mato Grosso do Sul se preparam para o maior Festival de Robótica do Brasil
Estudantes gaúchos participam do Torneio SESI de Robótica First Tech Challenge
Com projeto de pílula que reduz ansiedade, alunos de Curitiba se classificam para Torneio Nacional de Robótica

Comentários