Queda do PIB neste ano será de 4,2%, desde que medidas econômicas sejam efetivas

A economia encolherá 7,3%, em comparação a 2019, se as ações não evitarem fechamento de empresas nem aumento do desemprego ou queda na renda. Em cenário de recuperação rápida, menos provável, PIB cai 0,9%
Há também o fato de o comércio internacional ter sido bastante afetado pela pandemia, o que dificultará o crescimento das exportações brasileiras

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) avalia que o grau de sucesso das medidas econômicas, para reduzir os impactos da crise provocada pelo coronavírus, e a extensão da quarentena serão determinantes para o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano. Diante disso, o estudo Informe Conjuntural divulgado nesta segunda-feira (11), traça três cenários para 2020: um pessimista, um base e um otimista. Em todos eles, a economia brasileira encolherá, refletindo a retração já observada em março, que se mostrou forte o suficiente para reverter o resultado positivo do primeiro bimestre.

O cenário mais provável é o base, em que a soma de todos os bens e serviços produzidos no Brasil, o Produto Interno Bruto (PIB), cai 4,2% - a previsão pré-coronavirus, feita em dezembro de 2019, era de crescimento de 2,5% neste ano.. Essa queda ocorrerá se as políticas de auxílio econômico forem suficientes para impedir a insolvência de um número grande de empresas e evitar, de forma significativa, a redução da renda das famílias durante o isolamento social, que – neste cenário – começaria a ser flexibilizado neste mês de maio. 

“A expectativa é de que as medidas econômicas para enfrentar a crise vão, neste cenário, possibilitar uma recuperação mais rápida, impedir a falência de um grande número de empresas e o aumento significativo do desemprego, além de reduzir os impactos sobre problemas logísticos, falta de insumos e sobre o emprego e, assim, possibilitar uma recuperação mais rápida”, explica o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade.

O PIB industrial vai recuar 3,9% neste ano em relação ao ano passado em um cenário base. Em um cenário pessimista, a queda será de 7%. No melhor das hipóteses, espera-se retração de 1,8%.

Cenário traz desafios para a retomada da economia

Mesmo assim, esta simulação prevê que não será possível evitar totalmente o fechamento de empresas, a queda do faturamento e dificuldade de acesso ao crédito, o que tornará os empresários mais cautelosos, com efeitos negativos diretos sobre o PIB. Há também o fato de o comércio internacional ter sido bastante afetado pela pandemia, o que dificultará o crescimento das exportações brasileiras. Esse cenário também depende da evolução da pandemia, pois ainda não se sabe se o avanço do coronavírus vai permitir o relaxamento das medidas mais duras de distanciamento social.

Na avaliação da CNI, o Estado precisa continuar na busca pela redução da dívida pública, comprometido com o equilíbrio fiscal e com o controle da inflação, para aumentar a confiança no país e a atração de investimento. O governo terá o desafio, ainda, de conciliar essas metas com uma política fiscal expansionista, ainda que controlada, com redução da carga tributária e aumento dos investimentos públicos.

“O primeiro passo é manter a agenda da competitividade. Para sair da crise de forma sustentada, o país precisa, mais do que nunca, eliminar o Custo Brasil, com uma reforma tributária que crie um sistema mais eficiente e menos complicado”, explica Robson Braga de Andrade. Essa agenda, ainda que apresente poucos resultados de curto prazo, é fundamental para a atração de investimentos e para o crescimento de longo prazo.

Se as medidas econômicas não forem eficazes, o PIB deste ano recuará 7,3%

O Informe Conjuntural mostra que, se as medidas de auxílio econômico se mostrarem insuficientes para impedir uma redução forte na renda das famílias e uma falência generalizada de empresas, a queda do PIB brasileiro será de 7,3%.

A crise provocada pelo coronavírus atinge o Brasil em um momento delicado. O país ensaiava a recuperação de uma retração que derrubou o PIB em mais de 7% até 2017, resultou em mais de 12 milhões de desempregados no início de 2020 e deixou famílias e empresas em situação financeira debilitada. 

PIB brasileiro cairá 0,9% neste ano em cenário otimista, o menos provável

Em um cenário otimista, embora menos provável, as medidas econômicas de proteção da renda e de acesso ao crédito vão evitar que os efeitos econômicos de março e abril tenham impactos permanentes, com queda significativa do emprego e da renda e que não desestruturem os canais de distribuição e acesso aos insumos. 

Nesse cenário os impactos da crise são mais brandos do que no previstos no cenário base e, assim, os estímulos fiscais e monetários serão capazes de impulsionar a economia. Por fim, os agentes econômicos, famílias e empresários devem abandonar rapidamente uma postura mais cautelosa tomada durante o período mais severo da crise. 

Dessa forma, a recuperação será mais rápida, com a atividade, já em agosto, de volta ao nível de fevereiro de 2020. A queda do PIB no primeiro trimestre, nesse cenário, será de 2,0%, enquanto no segundo alcançará 3,8%.

Avaliação das medidas emergenciais para combater crise gerada pelo coronavírus

Uma série de medidas foram adotadas pelo governo federal para enfrentar a crise de saúde pública e econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus. A questão agora é garantir que essas medidas sejam efetivas e tenham a intensidade necessária. Além disso, ainda faltam novas medidas para que as empresas tenham acesso aos novos recursos disponíveis para financiamento.

Em momentos de elevado risco, como o atual, as instituições financeiras elevaram os custos e as exigências de garantias para realizar as operações. Para a CNI, a saída para o problema do acesso ao crédito exige que o risco seja assumido pelo Tesouro Nacional, como ocorreu na Europa e nos Estados Unidos. “É o único modo de se minimizar pedidos de falência de uma grande quantidade de empresas e o desaparecimento dos empregos”, afirma o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade. 

Emprego e renda

Impacto da crise sobre o emprego e a renda pode se estender para 2021 e será mais grave para trabalhadores informais e por conta-própria, mesmo com auxílio emergencial. Em um cenário base, taxa de desemprego em dezembro deste ano estará em torno de 12,5%, com acréscimo de cerca de um milhão de pessoas desocupadas em relação ao trimestre móvel encerrado em fevereiro de 2020.

Inflação, juros e crédito

Apesar das medidas de ampliação da liquidez implementadas pelo Banco Central, estimadas em R$ 1,2 trilhão, é preciso buscar soluções adicionais para que o crédito chegue a tempo às empresas de segmentos e portes mais vulneráveis. O IPCA ficará abaixo do piso da meta de inflação, de 2,5%, neste ano e seja 1,97%. A expectativa da CNI é de que o ciclo de redução da Selic tende a continuar.

Política fiscal

Espera-se uma deterioração do quadro fiscal para o ano de 2020, com déficit superior ao estipulado pelo Orçamento deste ano e despesas que superam o limite estabelecido pela regra do teto dos gastos. Resultado do governo federal não é suficiente para conter aumento do déficit primário do setor público consolidado no início deste ano, com aumento do endividamento público. 

Expectativa de saldo comercial e de taxa de câmbio

A taxa de câmbio se manterá em patamar elevado nos próximos meses. O cenário para as exportações brasileiras não é favorável: os preços das commodities deverão se manter baixos. Assim, a evolução do valor das exportações em 2020 dependerá mais do aumento do volume, o que devido à expectativa de queda no volume de comércio mundial, é um resultado mais incerto.

A Indústria contra o coronavírus: vamos juntos superar essa crise

Acompanhe todas as notícias sobre as ações da indústria no combate ao coronavírus na página especial da Agência CNI de Notícias.

Relacionadas

Leia mais

SENAI realiza manutenção de ambulâncias durante a pandemia da Covid-19
Propostas para reativar a economia
Desenvolvimento e soberania em risco

Comentários