Empresários se reúnem na Fibra para discutir problemas ambientais

O curso foi desenvolvido por meio do Programa de Desenvolvimento Associativo (PDA), que é um instrumento da CNI e das Federações de Indústria para fortalecer a representação sindical empresarial e o associativismo

A Diretoria de Relações do Trabalho e Apoio Sindical da Federação das Indústrias do Distrito Federal (Fibra) realizou, nesta quarta-feira (03), o curso "Como prevenir problemas ambientais?", que visa orientar empresários sobre a legislação vigente e compartilhar iniciativas de preservação, sustentabilidade e inovações que possam diminuir os impactos causados ao meio ambiente.

Cerca de 15 empresários participaram da ação, que teve duração de oito horas e foi conduzida pela consultora da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Ana Paula Barbosa. Pós-graduada em Engenharia de Qualidade, Gestão Ambiental e Direito Público, Ana afirma que a CNI tem o cuidado de disseminar informações sobre questões ambientais porque, dentro do espaço individual, o empresário mantém tudo sob controle. Mas, quando se fala em ambiente de negócios, a organização está sujeita a diversas forças e ameaças externas que precisam ser administradas. E, muitas vezes, está administração não pode ser feita de forma individual.

"Uma das melhores formas de ganhar força é por meio do associativismo. Quando falamos de forma coletiva, com o apoio dos sindicatos, nós adquirimos maior poder de representação junto aos órgãos ambientais, conseguimos montar propostas de melhorias para a legislação e buscar simplificação nos processos”. Ainda na opinião da palestrante, as informações são melhores disseminadas, as soluções são compartilhadas e é possível contratar consultorias com custos reduzidos. Tudo isso faz parte das ações de preservação ambiental, as quais as empresas precisam estar atentas.

Durante o curso, foram abordados temas como: normas e procedimentos ambientais vigentes; ação empresarial coletiva; e incorporação da dimensão ambiental ás estratégias e aos processos de gestão das empresas.

Outros assuntos que ganharam bastante destaque foram os acidentes ambientais ocorridos nos últimos anos e a instalação de empresas em áreas de intenso impacto ambiental, como é o caso do Porto de Suape, localizado no estado de Pernambuco. "A questão ambiental vai além do ambiente físico. Ela influência nos negócios, no ambiente produtivo e na vida das pessoas. O porto de Suape, por exemplo, trouxe para Recife um legado significativo. Ao ser implementado, ele modificou q rota marítima dos tubarões. Com isto, os animais passaram a procurar alimentos em outros ambientes, como praias humanas. Isto é um grande exemplo de como um ambiente de negócios pode causar impactos ambientais. ", diz a consultora.

Representando a empresa União Química, a engenheira ambiental Kelyelisan Campelo, ressaltou a importância de participar de cursos sobre o tema. “Estas ações da Fibra, além de incentivar a empresa a aumentar as práticas ambientais, também favorece o contato com outras organizações. Desta forma, nós podemos compartilhar soluções e crescer sempre com foco em sustentabilidade”.

Kelyelisan atua como supervisora de meio ambiente da empresa, uma indústria farmacêutica que faz todo o processo de produção de medicamentos, desde a pesquisa até o produto final. A União Química conta, atualmente, com cinco campos espalhados pelo país e, somente no DF, emprega mais de 900 colaboradores.

“Nós já fazemos diversas ações de preservação, como o tratamento do efluente do processo industrial e o reuso da água para irrigação das plantações. Mas também buscamos incentivar nossos colaboradores por meio de um informativo que é divulgado para eles, a cada 15 dias, disseminando práticas ambientais. E o mais legal é que nós recebemos retorno, pois muitos dizem que adotaram as práticas ambientais também em suas residências. Dessa forma, nós conseguimos fazer com que essa cultura não fique apenas na empresa, mas também na vida dos empregados”, finaliza a supervisora.

Programa de Desenvolvimento Associativo

O curso foi desenvolvido por meio do Programa de Desenvolvimento Associativo (PDA), que é um instrumento da CNI e das Federações de Indústria para fortalecer a representação sindical empresarial e o associativismo. Desde 2007, diversos projetos vêm sendo desenvolvidos com o intuito de criar um ambiente de negócios favorável à competitividade da Indústria e ao crescimento sustentável do país.

Além de informar e capacitar os empresários, as ações do PDA também abordam temas atuais e relevantes para a rotina de produção de cada setor, como negociações coletivas, legislação empresarial, relações trabalhistas e redução de despesas.


Mais informações acerca do programa podem ser obtidas no telefone: (61) 3362-6115.

 

Relacionadas

Leia mais

Etanol é alternativa mais sustentável para eficiência energética, diz presidente da CNI
Em Canoinhas, FIESC capacita 13 empresários e industriais em como prevenir problemas ambientais
Associativismo e inovação marcam primeiro ano de Beto Studart à frente da FIEC

Comentários