Novo Ensino Médio: 6 mitos e verdades

Confira as principais dúvidas sobre o modelo de ensino que já é adotado em várias escolas do SESI em todo o Brasil
Metodologia une áreas de conhecimento e promove aprendizado prático nas escolas

No Novo Ensino Médio, no lugar das “disciplinas”, entram as áreas de conhecimento. Carga horária ampliada, foco no desenvolvimento das habilidades socioemocionais e noções sobre projeto de vida e carreira são algumas das novidades do modelo de ensino. As novas regras já são adotadas em muitas escolas do Serviço Social da Indústria (SESI) e devem ser implementadas em todo o país a partir de 2021. 

Pioneiro na adoção do Novo Ensino Médio, em 2018, o SESI formará a primeira turma de estudantes com diplomas de técnicos no fim de 2020. A formação técnica profissional é realizada em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), como forma de conectar educação com mercado de trabalho.

As mudanças, no entanto, ainda causam dúvidas entre pais e alunos, principalmente em relação a preparação para o ENEM, aproveitamento do conteúdo, carga horária e o processo de aprendizagem. Para ajudar a esclarecer como funciona o novo formato, o SESI elencou os principais mitos e verdades sobre as inovações e a qualidade do aprendizado no Novo Ensino Médio. Confira: 

1. A carga horária de 3.000 horas suprimiu parte do Ensino Médio para dar lugar para o itinerário formativo e isso pode prejudicar a preparação para o ENEM - MITO

O itinerário formativo possui uma formação geral básica articulada com a parte específica escolhida e é organizado em competências e habilidades, assim como o ENEM. O foco é desenvolver a capacidade de aplicar os conhecimentos em diversos contextos, demonstrando o que aprendeu na forma escrita ou oral, na prática ou na teoria, sempre ampliando o pensamento para responder aos desafios diante de uma decisão a ser tomada. 

Nos resultados de simulados externos, realizados pelos estudantes do Novo Ensino Médio do SESI Bahia, os alunos apresentaram resultados praticamente idênticos aos dos alunos das turmas convencionais. 

2. O modelo de áreas de conhecimento do Novo Ensino Médio acabou com as disciplinas e, com isso, algumas perderam conteúdos - MITO

O Novo Ensino Médio integra os conhecimentos específicos em torno de um mesmo eixo temático de determinada área do conhecimento e, assim, evita a aprendizagem fragmentada, separada. 

É possível conversar sobre um mesmo assunto usando vários conceitos que não são exclusivos de uma disciplina ou outra. Os alunos têm demonstrado maior interesse e mais inspiração para desenvolver projetos com outras áreas.

3. No novo Ensino Médio, a carga horária é mais bem aproveitada e qualificada - VERDADE

As metodologias adotadas pelas escolas SESI são focadas no protagonismo do estudante e no desenvolvimento de aprendizagens importantes para a vida social e para o mundo do trabalho. 

No Novo Ensino Médio são 1.000 horas por ano, separadas da seguinte maneira:

  • 1º ano: 800 horas para a formação geral e 200 horas para aulas de iniciação ao mundo do trabalho;
  • 2º ano: 600 horas para a formação geral e 400 horas para formação específica do itinerário;
  • 3º ano: 400 horas para formação geral e 600 horas para a formação específica. 

São ofertados itinerários com habilitação técnica e também de aprofundamento das áreas de conhecimento com temáticas interessantes e que dialoguem com o interesse dos jovens. 

4. A interdisciplinaridade entre as áreas funciona - VERDADE

Por articular os componentes curriculares em áreas do conhecimento, os assuntos que antes eram separados são discutidos sob a perspectiva de conceitos de vários campos ao mesmo tempo, ampliando as aprendizagens e o sentido daquilo que se aprende na escola. 

Do mesmo modo, os professores e alunos têm construído projetos compartilhados entre as áreas, enriquecendo muito a interação no dia a dia.  

5. A avaliação do SESI é diferenciada e a realização de simulados no Novo Ensino Médio ajuda na hora do ENEM - VERDADE

Por já integrar as disciplinas em áreas de conhecimento, o SESI ampliou a forma de avaliar, utilizando vários instrumentos e todos com a intenção de acompanhar o desenvolvimento de competências e habilidades. Assim, procura destacar o que o estudante avançou e intervir quando precisar de mais estratégias para atingir os objetivos de aprendizagem. 

Além disso, aplica-se simulados, no modelo ENEM, para acompanhar a evolução dos estudantes ao longo dos três anos e colaborar com o progresso das aprendizagens, intervindo sempre que necessário.

6. O Novo Ensino Médio estimula a evolução pessoal do estudante - VERDADE 

O aluno SESI constrói seu projeto de vida e carreira já no primeiro ano e é incentivado o tempo todo a ser protagonista e autor do seu processo de aprendizagem, exercendo autonomia para fazer suas escolhas. Do mesmo modo, o uso de tecnologias e de metodologias ativas colaboram muito com o desenvolvimento pessoal dos estudantes, praticando também a empatia, a solidariedade, a colaboração, a criatividade e a inovação.

Relacionadas

Leia mais

VÍDEO: Novo Ensino Médio - veja o que pais de alunos SESI acham do modelo de ensino
Volta às aulas 2020: estados começam a adotar o Novo Ensino Médio com formação profissional
VÍDEO: Novo ensino médio tem aprendizado contextualizado à realidade dos estudantes

Comentários