Desequilíbrio da economia é consequência de uma série de erros de gestão, diz Maílson da Nóbrega

Ex-ministro da Fazenda do governo José Sarney avalia que o atual quadro de inflação alta no Brasil é resultado de políticas equivocadas

O ex-ministro da Fazenda do governo José Sarney, Maílson da Nóbrega, avalia que o atual quadro de inflação alta no Brasil é resultado de políticas equivocadas. Segundo ele, dificilmente a presidente Dilma Rousseff terá a liderança e a capacidade de articulação política para adotar as medidas necessárias à volta da estabilidade dos preços. "São medidas impopulares. A elas deve opor-se o próprio partido da presidente", disse o economista, em entrevista à Agência CNI de Notícias. Para Nóbrega, a restauração da credibilidade do Banco Central requer muitos anos de ação correta e convincente na política monetária. "Não acredito que isso possa acontecer no atual governo", completa. Confira a entrevista na íntegra. 

AGÊNCIA CNI DE NOTÍCIAS - Depois de conquistar a estabilidade, a inflação de 2015, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ficou em 10,67%. Como o Brasil chegou a isso? 

MAÍLSON DA NÓBREGA – Na origem da alta inflação dos dias atuais está a leniência dos governos do PT com a alta de preços apesar do discurso de intransigência com a inflação. Em todo o seu período, mantiveram uma elevada média, de 4,5%, uma das mais altas do mundo. O padrão nos países emergentes é 3%. No Peru, é 2%. Além disso, políticas fiscal e de crédito expansivas contribuíram para acelerar o crescimento dos preços. Com Dilma Rousseff, a interferência política  prejudicou a credibilidade do Banco Central, minando o exercício de sua função básica de coordenar expectativas dos agentes econômicos. Por último, o controle de preços de combustíveis e energia elétrica criou distorções que obrigaram o abandono dessa política populista. A inflação elevada é, em grande parte, o efeito da correção de preços administrados.

AGÊNCIA CNI DE NOTÍCIAS -  Como a inflação alta prejudica o desempenho das empresas e a vida dos cidadãos? 

MAÍLSON DA NÓBREGA – Nas empresas, a inflação cria incertezas, dificulta o cálculo econômico, reduz a demanda e interfere nas decisões de investir. Nos cidadãos, a inflação corrói a renda, diminui sua capacidade de consumo e poupança e pode, por seu efeito na atividade econômica, levá-los ao desemprego e a novas incertezas quanto ao futuro, o que afeta adicionalmente suas decisões de consumir. Os pobres são os mais prejudicados. 

AGÊNCIA CNI DE NOTÍCIAS - Há riscos da volta da indexação da economia? 

MAÍLSON DA NÓBREGA – Sim, embora no momento ainda não se possa dizer que tenha aumentado o nível de indexação. Diferentemente da época de indexação generalizada, ainda não há mecanismos institucionais de reajustes de preços e salários à inflação passada. Além disso, há notícias de renegociação de contratos e de seu reajuste abaixo da inflação. Na área dos salários, o crescimento da renda abaixo da inflação é sintoma de reajustes sem observância da inflação passada. Ao que tudo indica, muitas empresas conseguem demitir funcionários e substituí-los por outros de salários mais baixos, havendo casos de mera recontratação em outras bases. Se, todavia, a inflação fugir do controle, a indexação acabará sendo imposta como uma decorrência da realidade. 

AGÊNCIA CNI DE NOTÍCIAS - Quais as medidas necessárias para combater a inflação e recuperar o equilíbrio econômico? 

MAÍLSON DA NÓBREGA – Duas medidas são essenciais. Primeira, enfrentar e resolver o problema fiscal de modo a permitir a geração de superávits primários robustos, da ordem de 3% do PIB ou mais. Segunda, restabelecer a credibilidade do Banco Central, seriamente abalada com os sinais de interferência da presidente Dilma na recente decisão do Copom, de manter a taxa Selic em 14,25% ao ano. Sem essas duas medidas, os gastos públicos continuarão pressionando a demanda e o BC não recuperará seu papel de coordenador das expectativas. 

AGÊNCIA CNI DE NOTÍCIAS - O senhor acredita que o governo tomará essas medidas? E o Congresso apoiará tais medidas? 

MAILSON DA NÓBREGA - Não creio. No campo fiscal, o ajuste inclui eliminar a indexação de despesas como as de Previdência, educação e saúde, rever as regras de reajuste do salário mínimo e aprovar a recriação da CPMF. Dificilmente Dilma tem a liderança e a capacidade de articulação política requeridas para obter o apoio do Congresso em prol de medidas como essas, que são impopulares. A elas deve opor-se o próprio partido da presidente. Quanto à credibilidade do Banco Central, sua restauração vai requerer muitos anos de ação correta e convincente na política monetária. Não acredito que isso possa acontecer no atual governo. 

AGÊNCIA CNI DE NOTÍCIAS - Como as empresas e os cidadãos podem se proteger da inflação alta? 

MAÍLSON DA NÓBREGA - Nas empresas, a saída é buscar ganhos de eficiência que permitam aumentar a produtividade e elevar sua competitividade. Nos cidadãos, os instrumentos de defesa contra a inflação estão disponíveis essencialmente para os que têm poupança financeira para aplicar em ativos que rendam pelo menos a taxa de inflação. Para as classes menos favorecidas, infelizmente, as chances de defender-se se limitam quase sempre à busca de preços mais baixos disponíveis no mercado e às compras realizadas logo que disponham de seus rendimentos. 

AGÊNCIA CNI DE NOTÍCIAS - Quais foram as principais medidas que contribuíram para o atual desequilíbrio da economia brasileira? 

MAÍLSON DA NÓBREGA - O atual desequilíbrio é a consequência de uma série incrível de erros de gestão econômica. Começa pela interrupção, por razões ideológicas, do processo de reformas destinadas a reforçar o papel do mercado na economia brasileira e de promover ganhos de produtividade. Passa por erros de diagnóstico, particularmente no período Dilma, quando prevaleceu a ideia equivocada de que o Brasil enfrentava um problema de demanda (era de oferta). A expansão insustentável do crédito e a pletora de incentivos fiscais, com o objetivo de estimular o consumo, geraram pressões inflacionárias, diminuíram a arrecadação tributária, agravaram a crise fiscal e asseguraram reajustes salariais acima da produtividade (o que reduziu drasticamente a competitividade da indústria). As intervenções desastradas no setor elétrico e nos preços de combustíveis fragilizaram o setor elétrico e a Petrobras, e inviabilizaram muitas plantas de produção de etanol. A corrupção na Petrobras e sua consequência, a Operação Lava-Jato, reduziu os investimentos da cadeia de petróleo, criou gigantescas incertezas e constitui uma causa importante da desaceleração da economia brasileira. Dificilmente há paralelo de tanta inépcia na história do país. 

LEIA TAMBÉM

ENTREVISTA: Câmbio não é solução mágica para problemas de competitividade, diz Flávio Castelo Branco

ENTREVISTA: 2016 será o ano dos acordos comerciais, diz diretor da CNI

ENTREVISTA: Defesa de interesses ganha novo papel na mudança das políticas públicas

REPRODUÇÃO DA ENTREVISTA - As entrevistas publicadas pela Agência CNI de Notícias podem ser reproduzidas na íntegra ou parcialmente, desde que a fonte seja citada. As opiniões aqui veiculadas são de responsabilidade do autor. Em caso de dúvidas para edição, entre em contato pelo e-mail [email protected]

Relacionadas

Leia mais

País só atingirá meta de universalização dos serviços de saneamento em 2054, diz estudo da CNI
Apesar da queda na atividade, indústria da construção está com expectativas menos negativas
VÍDEO: Minuto da Indústria mostra que o setor enfrenta dificuldades para sair da crise

Comentários