Entenda por que materiais avançados são importantes para a indústria

Esses materiais são aqueles capazes de melhorar ou criar novos materiais. Das oito inovações estudadas pelo projeto Indústria 2027, essa tecnologia é a que tem impactos em um maior número de sistemas produtivos no presente

Em 1907, o químico Leo Baekeland criou algo que transformaria completamente a indústria. O belga naturalizado americano desenvolveu a baquelita, o primeiro plástico totalmente sintético e comercializável. Desta primeira invenção, vieram inúmeras outras, como o poliéster, o náilon, o teflon e o silicone. O plástico, talvez, seja o exemplo mais poderoso para explicar a importância dos materiais para a vida moderna. Por isso, os materiais avançados - tanto a criação de matérias totalmente novas quanto o aprimoramento das que já existem - são um dos alvos dos pesquisadores do Projeto Indústria 2027

Não é à toa que eles já aparecem como o eixo de inovação que impacta o maior número entre os 10 setores da indústria avaliados pelo projeto - química, petróleo e gás, aeroespacial e bens de consumo. Afinal, para se criar praticamente tudo –  do digital ao concreto –  é preciso partir de um material.   

Antonio José Félix de Carvalho, professor da Universidade de São Paulo (USP), é o especialista no tema dentro do Indústria 2027. Nesta entrevista, ele explica melhor o que são e qual é o impacto da evolução dos materiais avançados para a indústria e para os consumidores. Confira abaixo:

PROJETO INDÚSTRIA 2027 - O que são materiais avançados?

ANTONIO CARVALHO - Materiais avançados implicam a capacidade de se construir novos materiais ou substituir outros. Ou seja, melhorar ou criar materiais. Assim, surgem novas tecnologias com menor custo e com materiais aprimorados. Existe uma diversidade muito grande de materiais, e praticamente tudo o que se fabrica requer materiais. Eles estão em tudo.

Na segunda metade do século XX, o setor automobilístico viu a entrada de materiais poliméricos (como os plásticos e materiais compósitos) e as indústrias tiveram de se adaptar a essas inovações. Se, até então, os automóveis tinham pouco plástico, esse material apareceu em partes do motor, no painel, no banco do veículo, etc. Os polímeros contribuíram, por exemplo, para a diminuição do peso dos veículos. Em embalagens, os polímeros reduzem o custo deste produto e melhoram a performance.

PROJETO INDÚSTRIA 2027 - O senhor pode dar exemplos de materiais avançados?

ANTONIO CARVALHO - Metais, cerâmicas e polímeros. Nanofibras de celulose, que são fibras com dimensões muito reduzidas, estão presentes em fibras têxteis, revestimentos e embalagens e eletrônica orgânica. Elas servem como reforço de polímeros usados em bens de consumo. Outro tipo são os vidros metálicos, que têm propriedades como plasticidade e alta resistência mecânica. Eles estão em aeronaves e carcaças de equipamentos eletrônicos, por exemplo. Os materiais avançados também estão em equipamentos eletrônicos, telas de computadores e ímãs permanentes. A tecnologia possibilita a criação de materiais menos tóxicos, com menor custo e boas propriedades. 

PROJETO INDÚSTRIA 2027 - Como os materiais avançados se aproximam e se distanciam da nanotecnologia?

ANTONIO CARVALHO - Existem similaridades pelo fato de a nanotecnologia estar associada à possibilidade de mudar características de materiais que já existem. Um nanomaterial pode ser um material avançado, mas nem todo material avançado é um nanomaterial, até porque a nanotecnologia é a manipulação de materiais em escala nanométrica. 

PROJETO INDÚSTRIA 2027 - O que podemos esperar desta inovação nos próximos 10 anos?

ANTONIO CARVALHO - Novos materiais implicam novos produtos e processos. Desse avanço, podem surgir tecnologias que ainda não estão disponíveis. Um bom exemplo é o vidro dos smartphones. A partir dele, foi possível produzir aparelhos muito mais finos e leves, o que revolucionou a indústria eletrônica.

SAIBA MAIS - O Indústria 2027 é um estudo que avalia o impacto de oito tecnologias em 10 setores da indústria. O projeto é uma iniciativa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) em parceria com pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Acesse o site do projeto para conhecer todos os detalhes!

Relacionadas

Leia mais

MCTIC avança na elaboração de marco regulatório para nanotecnologia no Brasil
Evolução da nanotecnologia no Brasil requer aproximação entre universidade e indústria
Nove megatendências da inovação que vão transformar a indústria

Comentários