Planos de saúde custam 13,1% da folha de pagamento da indústria, mostra pesquisa do SESI

Segundo levantamento, reajuste anual médio no custo para as empresas tem sido de 10,1%, patamar acima da inflação. Empresas se unem para melhorar gestão, na busca por sustentabilidade da saúde suplementar
O levantamento mostra também que o custo é apontado por 61% das empresas que não oferecem o benefício como principal motivo para não oferecê-lo

Principal benefício oferecido pelas empresas a seus empregados, o plano de saúde representa 13,1% em média da folha de pagamento da indústria brasileira. Pesquisa inédita do Serviço Social da Indústria (SESI), realizada pela FSB Pesquisa, para averiguar a realidade e os desafios enfrentado pelo setor com a sustentabildidade do sistema de saúde suplementar, mostra também que o reajuste médio anual com o benefício tem sido de 10,1% – em 2018, por exemplo, o Índice de Preço ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou em 3,75%. O levantamento mostra também que o custo é apontado por 61% das empresas que não oferecem o benefício como principal motivo para não oferecê-lo. 

O elevado custo e a escalada nos preços dos planos de saúde têm sido motivo de preocupação para a indústria do país. Segundo a pesquisa do SESI, 75% das grandes e médias indústrias entrevistadas oferecem o benefício aos seus funcionários e 70% dos 47 milhões de brasileiros cobertos por convênios coletivos têm o benefício custeado por empresas.

De acordo com o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, um sistema de saúde eficiente está diretamente relacionado ao desenvolvimento do país, das empresas e dos trabalhadores. “Precisamos contratar um sistema estruturado, de boa qualidade e de custo compatível com a promoção da saúde e a prevenção, o controle e o tratamento de doenças”, destaca.

O tema é debatido no II Seminário Internacional SESI de Saúde Suplementar, nesta terça-feira (24), em São Paulo. Segundo o diretor-superintendente do SESI, Rafael Lucchesi, o modelo de remuneração baseado por procedimentos e a falta de integração, transparência e qualidade de informações, contribuem para o aumento de ineficiências, como irregularidades, consultas e exames desnecessários e insatisfação dos usuários.

Para conter a escalada de custos e conseguir manter a qualidade da cobertura, as empresas vêm investindo na gestão integrada do plano de saúde com as políticas de saúde e segurança no trabalho. De acordo com a pesquisa, 56% das empresas ouvidas que oferecem planos já fizeram essa integração. Por meio do uso de inteligência na gestão de dados de saúde dos funcionários, por exemplo, tem-se conseguido mais efetividade nas ações de promoção da saúde, na prevenção de doenças e na redução de desperdícios e uso indiscriminado na utilização dos planos de saúde.

“Essa integração permite a construção de iniciativas mais assertivas para combater as principais causas de sinistralidade dos planos e de afastamentos de trabalhadores”, completa Lucchesi. 

Veja a íntegra da pesquisa e faça o dowload:

INTEGRAÇÃO – Exemplo de indústria que faz a integração dos planos de saúde com o programa de saúde e segurança é a Procter & Gamble (P&G), com 3.500 empregados no Brasil. De 2012, quando começou esse processo de integração, até agora o número de empregados afastados reduziu em 70% e o índice de sinistralidade do plano de saúde, que era de mais de 100%, ficou abaixo de 70%. 

A redução significativa no uso do plano, contribuiu para que os reajustes anuais fiquem abaixo da média de mercado. No ano passado, o reajuste do benefício foi de 6%. “Além da melhoria da gestão do sistema, passamos a orientar os colaboradores a fazerem um uso mais racional do plano de saúde”, destaca o gerente médico Brasil da P&G, Fernando Mariya.

Entre as mudanças adotadas está o treinamento da equipe de saúde da empresa para fazer a atenção primária. Além disso, os programas de promoção de saúde passaram a ser focados nos principais riscos mapeados entre os trabalhadores: saúde mental, alimentação saudável e combate ao sedentarismo. Ele destaca que o retorno a cada real investido chega a R$ 1,70 em economia com plano de saúde, produtividade e redução de tributos. “Mas nada se compara aos índices de satisfação dos funcionários com a empresa e com os serviços de saúde, que crescem ano a ano”, relata.

CUSTOS COMPARTILHADOS – A elevação no preço dos planos tem levado as empresas a encontrarem alternativas para mitigar a pressão sobre os custos, como o estabelecimento de uma contribuição do próprio beneficiário. Segundo a pesquisa, das empresas que oferecem plano de saúde, 73% usam o modelo de co-participação, em que rateiam as despesas com os funcionários, enquanto 24% são totalmente custeados pelas indústrias. 

COALIZÃO EMPRESARIAL – Há dois anos, o SESI em parceria com a CNI coordena o Grupo de Trabalho em Saúde Suplementar, que conta com 68 grandes empresas que têm quase 3 milhões de beneficiários de planos de saúde. A P&G está entre as integrantes dessa equipe. O objetivo é estimular a cooperação entre empresas para construir propostas de políticas públicas e permitir trocas de experiências para otimizar custos e melhorar a gestão de saúde pelas empresas.

O grupo atua em seis frentes: integração de dados e informações; atenção primária; reestruturação do sistema para modelo assistencial integrado com ênfase em promoção da saúde e prevenção de doenças; remuneração de planos e prestadores de serviço com base em resultados de saúde; gestão de tecnologias de saúde; e mudanças no marco regulatório de saúde.

Relacionadas

Leia mais

Inova Talentos lança nova chamada pública para projetos de inovação
Imersão com empresários brasileiros vai explorar ecossistema de inovação em Israel
Comer é um ato mais tecnológico do que você pensa

Comentários