Atletas reconhecidos nacionalmente se destacam no XTERRA em Ouro Preto

Evento, patrocinado pelo Serviço Social da Indústria (SESI), contou com bom desempenho de Antônio Gonçalves, Sabrina Gobbo e outros competidores já consagrados
O XTERRA foi criado em 1996, no Havaí. A prova se internacionalizou e hoje está presente em mais de 40 países

No último fim de semana (22 e 23 de julho), o XTERRA, maior festival de esportes off road do mundo, esteve em Ouro Preto para a disputa de sua quinta edição em 2017. Famoso por suas provas radicais, o evento contou com vitórias de atletas já conhecidos na cena esportiva e acostumados à primeira colocação. Destaques para Antônio Gonçalves da Silva, que pela sexta vez, foi o grande campeão da categoria mais popular, a Half Trail Run (25,8 km), enquanto a paulista Sabrina Gobbo tornou a vencer a disputa MTB Cup Pro (46 km). Todos os resultados finais podem ser conferidos no site do evento.

Centenas de competidores estiveram presentes e puderam viver a experiência única de uma etapa XTERRA, patrocinado pelo Serviço Social da Indústria (SESI). Lá, eles presenciaram as belezas naturais e a admirável arquitetura colonial da cidade mineira. “A etapa foi bem bacana, no estilo que eu gosto, com bastante subida e dificuldade", relatou a atleta Sabrina Gobbo, 40 anos, que terminou quinze minutos à frente da segunda colocada.

O campeão da Half Trail Run, que consiste em correr uma distância de 25,8 km, foi o favorito Antônio Gonçalves, 27 anos. O mineiro, natural da cidade de Piau, conquistou sua sexta vitória seguida nas etapas XTERRA e teve um gosto especial nesta última, já que não esperava o triunfo. “Tive um estiramento na coxa direita há quinze dias e achei que não iria conseguir dar o meu melhor. Essa conquista merece ser comemorada em dobro”, confessou.

Antônio disse que não se considera imbatível, mas revelou o segredo da vitória. “Sempre me cuido bastante para fazer boas provas e acho que isso reflete no meu desempenho. Gosto de ficar leve, então corro sem camisa e não levo água. Eu me hidrato bastante até a hora da disputa, engordo 4 kg propositalmente também, pois é o peso que perco em média durante uma prova”, contou.

O XTERRA voltou para Ouro Preto após dois anos. Foi a terceira edição na cidade histórica. A próxima edição do festival será realizada em 12 e 13 de agosto, na região de Costa Verde, em Mangaratiba, no Rio de Janeiro. As inscrições estão abertas e podem ser feitas pelo link.

SOBRE O XTERRA - O XTERRA foi criado em 1996, no Havaí, pelo então atleta Tom Kiely como a primeira prova de triathlon off-road do mundo. A partir de então a prova se internacionalizou e hoje está presente em mais de 40 países na Ásia, América, Europa e África. No Brasil, o XTERRA começou em Ilhabela (SP), em 2005, apenas com a prova de triathlon, com aproximadamente 300 participantes.

Uma das etapas do circuito no Brasil é escolhida para ser classificatória para o XTERRA World Championship, que acontece na Ilha de Maui, no Havaí, e reúne os melhores atletas do mundo. O XTERRA Brazil, em Ilhabela, é válido pelo XTERRA Pam Am Tour e distribui 50 vagas para os melhores triatletas por faixa etária, masculino e feminino, além dos profissionais, para a grande final com a nata do triathlon off-road mundial. Oitocentos competidores de 32 países disputam a primeira colocação geral em um percurso extremamente desafiador no terreno vulcânico do arquipélago norte-americano.

Relacionadas

Leia mais

Ouro Preto recebe o maior festival mundial de esportes em meio à natureza
SESI 71 anos: Excelência em educação e segurança e saúde na indústria
XTERRA Rota Imperial teve disputa acirrada, dobradinha e campeão prodígio no MTB

Comentários