Compem debate negociação de dívidas e programas emergenciais

Em conselho da CNI, assessor especial do Ministério da Economia apresenta o mecanismo de transação tributária, voltado para o parcelamento de débitos. BNDES possui outras duas iniciativas de apoio a MPEs
A transação tributária permite a negociação de débitos inscritos na dívida ativa da União

O assessor especial da Secretaria-Executiva do Ministério da Economia Rogério Campos disse nesta quarta-feira (19) que o mecanismo de transação tributária tem se mostrado eficaz no enfrentamento imediato da atual crise econômica. Segundo Campos, o governo já celebrou mais de 50 mil acordos, somando um total de R$ 20 bilhões em dívidas, por meio desse instrumento.

Regulamentada pela MP 899/2019, a MP do Contribuinte Legal, a transação tributária permite a negociação de débitos inscritos na dívida ativa da União e de contencioso tributário por meio de concessão de benefícios aos devedores, como parcelamento e desconto nos juros e na multa, se necessário. Em julho, micro e pequenas empresas também entraram no rol de beneficiadas por esse mecanismo. Ao todo, 1,3 milhão de micro e pequenas empresas podem ser diretamente beneficiadas.

“Hoje, temos 50 mil acordos já celebrados (considerando todos os portes de empresas). São R$ 20 bilhões já em acordo, e a transação tributária se mostrou um instrumento eficaz no enfrentamento mais imediato da crise”, afirmou o assessor especial, durante reunião do Conselho da Micro e Pequena Empresa (Compem) da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Cerca de 1 milhão de MPEs possuem débitos de até 60 salários mínimos

O assessor especial ressaltou que as micro e pequenas empresas são agentes importantes na economia brasileira e que geram mais de 5 milhões de empregos. Atualmente, das MPEs inscritas na dívida ativa da União, cerca de 1 milhão possuem débitos no Simples inferiores a 60 salários mínimos. Nesses casos, os descontos da transação serão de até 50% do total dos débitos, parcelamento em até 60 meses e outras condições de pagamento.

As MPEs com débitos acima de 60 salários mínimos poderão aderir às demais portarias de transação em vigor, inclusive a transação excepcional prevista na Portaria 14.402/2020 da PGFN, entre 1º de julho a 29 de dezembro de 2020, pelo portal Regularize. Essa portaria alcança débitos inscritos em dívida ativa daqueles que efetivamente sofreram redução de faturamento em razão da Covid-19, no total de até R$ 150 milhões.

“Várias medidas do Ministério da Economia têm sido voltadas para essas empresas ou pelo menos para atender a algumas de suas peculiaridades. Com a lei de transação tributária, não foi diferente”, afirmou. “As micro e pequenas empresas têm importância absurda na atividade econômica, na formação do Produto Interno Bruto (PIB), na distribuição de renda, mas elas são muito mais sensíveis a alterações econômicas e a rompimentos no sistema. A pandemia as afeta muito mais por questões como fluxo de caixa e econômicas em geral”, disse.

O presidente do Compem, Amaro Sales de Araújo, que também preside a Federação das Indústrias do Rio Grande do Norte (FIERN), afirmou que o momento atual, de crise desencadeada pela pandemia de Covid-19, impõe desafios aos micro e pequenos empresários.

“Sabemos das várias ações que foram tomadas pelos governos nas três esferas. O governo federal tem se empenhado a nos ajudar nesse momento de pandemia. Temos certeza que isso vai passar, ainda não sabemos quando. Mas precisamos desse olhar diferenciado para as micro e pequenas empresas”, disse Sales.

O gerente de Política Industrial da CNI e secretário-executivo do Compem, João Emilio Gonçalves, afirmou que o pior ficou para trás e que medidas adotadas durante a pandemia ajudaram os micro e pequenos empresários, mas que ainda há muito a ser feito. “Vimos uma confiança dos micro e pequenos empresários com base nas políticas de apoio a eles”, disse.

BNDES apresenta programas emergenciais de apoio a empresas

Durante a reunião, o gerente do Departamento de Clientes e Relacionamento Institucional do BNDES, Marcus Vinícios Macedo Alves, apresentou os programas emergenciais de Suporte a Emprego (Pese) e  de Acesso a Crédito (PEAC), criados pelas Medidas Provisórias nº 944 e nº 975, respectivamente.

Criado em abril deste ano, o Pese oferece crédito para a manutenção do pagamento da folha salarial de empresas durante o período de pandemia. Até 30 de julho, o programa somou R$ 4,6 bilhões em financiamento aprovado, beneficiando 114 mil empresas e 1,9 milhão de trabalhadores.

O Programa Emergencial de Acesso a Crédito (PEAC), por sua vez, foi criado em junho e busca apoiar pequenas e médias empresas na contratação de crédito. Por meio de 30 bancos, essa linha já concedeu R$ 10,7 bilhões em financiamento.

A Indústria contra o coronavírus: vamos juntos superar essa crise

Acompanhe todas as notícias sobre as ações da indústria no combate ao coronavírus na página especial da Agência CNI de Notícias.

Relacionadas

Leia mais

CNI elabora cartilhas para orientar micros e pequenas empresas a tomarem crédito
Melhoria nas políticas públicas para micro e pequenas empresas é crucial para a economia, afirma presidente da CNI
Rede da CNI auxiliou micro e pequenas empresas a contratar R$ 36,7 milhões em crédito do BNDES em 2018

Comentários