CNI vai ao STF contra decisões trabalhistas que presumem discriminatória qualquer demissão de portador de doença grave

Confederação alega que a Súmula 443 do TST significa cheque em branco para juízes definam aleatoriamente quais são as doenças graves e exijam do empregador prova de que a demissão não se deu por essa razão

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) protocolou na sexta-feira (31) ação no Supremo Tribunal Federal (STF) contra decisões trabalhistas pautadas pela Súmula 443 do Tribunal Superior do Trabalho (TST), que presume como discriminatória a demissão de qualquer portador de HIV ou de doenças graves. A Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) nº 648 terá como relatora a ministra Cármen Lúcia, que avaliará inicialmente pedido de liminar apresentado pela CNI.
 
Na avaliação da CNI, a Súmula 443 do TST abriu múltiplas e ilimitadas possibilidades ao juiz de enquadramento de doenças graves, cujo portador passa a ter sua eventual dispensa imotivada considerada presumidamente discriminatória. Na petição, a CNI argumenta que a jurisprudência trabalhista, a partir da súmula do TST, afronta os princípios da legalidade, da separação dos poderes, da segurança jurídica, da livre iniciativa, do devido processo legal e da isonomia.
 
De acordo com o superintendente Jurídico da CNI, Cassio Borges, a súmula permite ao juiz trabalhista decidir pela nulidade da demissão e consequente reintegração do trabalhador sempre que a empresa não for capaz de comprovar que a demissão se deu por motivos outros que não a doença. “É um excesso, uma inversão descabida do ônus da prova que torna abusiva toda e qualquer demissão, praticamente afastando o direito do empregador de demitir sem justa causa”, afirma.

“A Súmula 443 cria, sem base legal, tanto uma regra processual generalizada de inversão de ônus da prova, atropelando o princípio do devido processo legal, como também uma regra de direito material, pois na expressão ‘doença grave’ e nos termos ‘estigma’ ou ‘preconceito’, as decisões navegam ao sabor da interpretação do julgador para ali enquadrar uma lista interminável de doenças”, destaca a CNI na ação.
 
A CNI enfatiza que não cogita na ação a defesa de medidas discriminatórias por parte do empregador. A Constituição rejeita tal prática em diversas passagens do seu texto e há legislações que tornam essas diretrizes efetivas, seja quando anunciam a vedação de práticas discriminatórias nas relações do trabalho, seja quando criminalizam atos específicos do empregador, como a exigência de teste e exame.

A Confederação argumenta, no entanto, que a jurisprudência do TST evoluiu na direção de sempre presumir discriminatória a dispensa de empregado portador do HIV ou de doença grave que suscite estigma ou preconceito, se o empregador não demonstrou que o ato foi orientado por outra razão.

Relacionadas

Leia mais

Indústria lamenta decisão do STF de retirar da pauta de julgamentos ações sobre tabelamento do frete
CNI pede ao Supremo para participar de ação sobre alteração de súmulas trabalhistas
STF julga procedente ação da CNI e declara inconstitucional lei estadual do Rio de Janeiro

Comentários