Popularidade do governo Temer mantém-se baixa, aponta CNI-Ibope

Segundo pesquisa, parcela de brasileiros que considera administração boa ou ótima permanece em 4%. Taxa de desaprovação sobe de 79% para 82%
A queda na popularidade do governo de Michel Temer foi mais acentuada nas regiões Sul e Norte/Centro-Oeste

A popularidade do presidente de Michel Temer permanece baixa, com leve aumento do nível de insatisfação com seu governo. De junho para setembro, o número de pessoas que considera a atual administração ruim ou péssima subiu de 79% para 82%, dentro da margem de erro da pesquisa. Esta é a pior avaliação desde o início de seu mandato, em 2016. A parcela da população que considera o governo como ótimo ou bom manteve-se em 4%, segundo a pesquisa CNI-Ibope, divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), nesta quarta-feira (26).

Os demais indicadores que medem a popularidade de Temer também oscilaram para menos, dentro da margem de erro. De acordo com a pesquisa, 5% da população confia no presidente, queda de 1 p.p. em relação a junho, enquanto os que não confiam permanecem em 92% dos entrevistados. Quanto à maneira de governar do presidente Temer, a aprovação oscilou de 7% para 6%. A taxa de desaprovação, por sua vez, variou de 90% para 92%, também dentro da margem de erro da pesquisa.

A queda na popularidade do governo de Michel Temer foi mais acentuada nas regiões Sul e Norte/Centro-Oeste. O percentual dos que consideram o governo como ruim ou péssimo cresceu, respectivamente, 9 p.p. e 8 p.p., alcançando 82% e 81%. No Sudeste, a insatisfação subiu de 77% para 81% . No Nordeste, houve recuo na comparação com junho, de 89% para 83%, no da margem de erro.

Em relação à maneira de governar, a desaprovação cresceu de forma mais acentuada entre os entrevistados com 55 ou mais anos: subindo de 81% para 87%, na comparação com junho. Quando se avalia a confiança no presidente Temer, a popularidade caiu mais entre a população com ensino médio completo e educação superior. O percentual que considera o governo ruim ou péssimo foi de 94% e de 96%, respectivamente, com altas de 5 e 6 pontos percentuais nesses dois grupos de entrevistados.

AVALIAÇÃO POR ÁREAS DE ATUAÇÃO – A pesquisa CNI-Ibope também apresenta a avaliação da população quanto à atuação do governo em nove áreas. As política e as ações do governo federal são reprovadas por, pelo menos, 79% dos entrevistados. A maior taxa de desaprovação é para a área dos impostos, que desagrada a 92% dos brasileiros, seguida da taxa de juros (89%), do combate ao desemprego (89%), da saúde (89%) e da segurança pública (87%). Os percentuais de desaprovação oscilaram positivamente para quase todas as áreas avaliadas. 

Segundo a pesquisa, o percentual da população que considera o governo Temer pior que o de Dilma Rousseff variou de 63% para 60%, enquanto os que consideram a atual administração melhor do que a anterior oscilou de 9% para 7%. Em relação ao restante do mandato do presidente Michel Temer, 75% dos entrevistados consideram que será ruim ou péssimo – em junho, a parcela foi de 74% - e os que consideram que será bom ou ótimo permaneceu em 5%.

Esta edição da pesquisa CNI-Ibope ouviu 2 mil pessoas em 126 municípios, entre 22 e 24 de setembro. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%. O levantamento foi registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o número BR-04669/2018.

SAIBA MAIS - Acesse a página da peesquisa CNI-Ibope: Avaliação de Governo para conhecer todos os detalhes da publicação.

Relacionadas

Leia mais

CNI-Ibope: 28% dos eleitores mudariam voto para evitar vitória de candidato que não agrada
Estado tem papel estratégico no desenvolvimento da Indústria 4.0 no  Brasil, mostra estudo da CNI
Assine a newsletter da Agência CNI e fique por dentro das notícias do Sistema Indústria

Comentários