Tecnologia desenvolvida no SENAI vai aumentar em 40% a produção de palmito pupunha

Com o apoio do SENAI do Paraná, a Vivetech desenvolveu um protótipo para facilitar a clonagem e a qualidade do alimento
O equipamento promove o crescimento da planta por utilização do meio de cultura líquida

Por agradar ao paladar do brasileiro, ao longo de décadas, produtores de todo o país tentaram encontrar formas que facilitassem o acesso desse alimento aos consumidores. Depois de décadas de um extrativismo sem controle adequado, principalmente dos tipos juçara e açaí, chegou-se à pupunha como uma opção mais viável economicamente e sustentável ao meio ambiente. Mesmo assim, faltava encontrar uma forma de produzir esse tipo de palmito garantindo maior produtividade – não só em termos quantitativos, mas também qualitativos.

Agora, a produção nacional está prestes a resolver essa questão, por meio de um projeto desenvolvido pela empresa paranaense Vivetech Agrociências, com apoio do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) do Paraná e investimentos do Edital de Inovação para a Indústria.

“A partir de um projeto da empresa, a equipe técnica do Instituto SENAI de Tecnologia (IST) em Metalmecânica, localizado em Maringá, construiu um protótipo que permite um ganho em produtividade excepcional”, explica o analista de Negócios do SENAI, Adilson João Jenck.

Sócio da Vivetech, o engenheiro agrônomo Douglas Steinmacher dá mais detalhes a respeito do protótipo fabricado em parceria com a instituição, que já está em fase de validação e vai facilitar a clonagem das plantas que apresentem as melhores características para consumo.

“Esse equipamento promove o crescimento da planta por utilização do meio de cultura líquida. Com isso, estamos eliminando um grande gargalo da produção, que era o crescimento rápido e uniforme das plantas cultivadas in vitro. Isso traz mais rigor e facilidade de adaptação das plantas quando elas são direcionadas aos produtores, proporcionando um ganho de produtividade de até 40%”, explica Douglas.

No entanto, não é só o produtor que vai se beneficiar com essa nova técnica. “A partir do momento que há esse ganho de produtividade, o consumidor também será beneficiado, pois vai receber um produto com mais qualidade, mais maciez e mais sabor, pois a produção contará apenas com as melhores plantas, escolhidas por meio de seleção natural”, informa.

Todo o processo de melhoria da produtividade, entretanto, começa muito antes de chegar ao equipamento fabricado pela Vivetech com o SENAI, como explica o engenheiro: “a maior dificuldade no cultivo da pupunha é a variabilidade genética, que dificulta o planejamento da produtividade. Algumas plantas podem ter características que dificultam o cultivo, como a existência de espinhos ou baixo perfilhamento, por exemplo”.

Pensando nisso, a Vivetech seleciona as melhores plantas, com as características desejadas para cada região, faz o cultivo in vitro e devolve aos produtores somente aquelas que apresentam condições apropriadas para consumo. 

O engenheiro agrônomo estima que deve levar cerca de cinco anos para que a produção de pupunha realizada por meio desse processo, envolvendo o novo equipamento, chegue em larga escala ao mercado. 

A escolha da pupunha para a realização desse projeto, por sua vez, não foi obra do acaso. “Desde a graduação, tive experiências práticas sobre as dificuldades no cultivo dessa espécie, que virou objeto de estudo no meu Mestrado e Doutorado também. A vantagem da pupunha em relação a outros tipos de palmito é que se trata de uma palmeira domesticada, que se adapta bem ao cultivo em pleno sol e excelentes características de sabor e maciez. Além disso, a pupunha apresenta perfilhamento ou rebrota, característica que permite colheita de palmito pelo menos uma vez por ano em cada planta”, conclui.

Relacionadas

Leia mais

IEL põe no ar podcast Estagiário do Futuro
SENAI CETIQT lança dois cursos de pós-graduação a distância
Crise amplia o desafio de reduzir custos e alcançar mais eficiência operacional

Comentários