Produtos inovadores supreendem participantes de programa de imersão

Violão que ajuda a aprender a tocar e placa solar flexível feita em plástico pet foram alguns dos projetos conhecidos por um grupo de 40 representantes de empresas e instituições em imersão promovida por IEL e CNI
Conectado a um aplicativo, do qual recebe informações de cifras obtidas em ferramentas como o Spotify, o instrumento indica, por meio de luzes de led, “o caminho” nas cordas a ser seguido pelo usuário

Um violão que ajuda a aprender a tocar e uma placa solar feita em plástico pet foram alguns dos produtos desenvolvidos em 15 centros inovadores visitados, entre 21 e 25 de maio, em cinco estados, por um grupo de 40 executivos e representantes de instituições públicas e privadas. Eles participaram da 8ª imersão a ecossistemas de inovação, organizada pelo Instituto Euvaldo Lodi (IEL) com apoio do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii).

Um dos locais visitados foi o Instituto SENAI de Inovação em Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), no Recife, que busca agregar valor à rica cultura pernambucana por meio do programa Cimmus - Criatividade e Inovação para a Indústria da Música. Um dos instrumentos desenvolvidos foi o violão digital. Conectado a um aplicativo, do qual recebe informações de cifras obtidas em ferramentas como o Spotify, o instrumento indica, por meio de luzes de led, “o caminho” nas cordas a ser seguido pelo usuário para tocar a música escolhida.

Os participantes da imersão também conheceram, em Belo Horizonte, o processo de impressão de placas solares flexíveis feitas em plástico pet. Desenvolvida pela empresa Sunew, a placa tem apenas 0,3 milímetros de espessura e pode ganhar qualquer tipo de formato. Tanto que deu origem a um grid em formato de árvore que capta energia do sol e possui saídas USB para recarga de aparelhos eletrônicos e iluminação noturna. As placas recobrem ainda a fachada da sede da empresa Totvs na capital paulista.

Desenvolvida pela empresa Sunew, a placa tem apenas 0,3 milímetros de espessura e pode ganhar qualquer tipo de formato. Tanto que deu origem a um grid em formato de árvore

REFERÊNCIAS - Durante cinco dias de visita, o grupo conheceu projetos e instalações em grandes centros de pesquisa e desenvolvimento que são referência no país, como a Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP) e o SENAI Cimatec, em Salvador. No campus integrado da capital baiana estão instalados três Institutos SENAI de Inovação, onde foi desenvolvido o Flatfish, robô submarino autônomo que será usado na inspeção de dutos de petróleo em águas profundas, realizado em parceria com a petroleira Shell e o instituto alemão de inteligência artificial DFKI. O SENAI Cimatec agora apoia a empresa italiana Saipem, que irá comercializar o equipamento a produtores de petróleo.

“As visitas foram excelentes, foi realmente surpreendente ver as diversas iniciativas concretas que estão em curso, vimos projetos fantásticos. Tivemos uma visão e uma dimensão do que o SENAI está fazendo e isso é bom para a indústria, para todos nós e para o Brasil, que vai colher muitos frutos”, avalia o diretor de Cultura e Engajamento da Brain/Algar Telecom, João Henrique de Souza Pereira. “No decorrer da semana, percebemos uma série de oportunidades e possibilidades de conexões que a gente não imaginava. Isso certamente vai se desdobrar em parcerias, em projetos em conjunto, na resolução de problemas com auxílio do SENAI e das instituições de apoio à indústria”, completa. 

O programa de imersōes busca inspirar e estimular a indústria brasileira a investir em inovação, fator-chave na capacidade das empresas competirem em um mercado globalizado em meio à quarta revolução industrial. A iniciativa é da Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), grupo que reúne 200 executivos das maiores empresas brasileiras sob a coordenação da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

“O objetivo é oferecer oportunidade para os executivos terem contato com os ambientes de inovação mais desenvolvidos no nosso país e no exterior. É muito importante que as empresas conheçam as infraestruturas e os locais onde podem fazer parcerias para inovação no Brasil. Temos centros de pesquisa e desenvolvimento e inovação muito avançados. Esses centros muitas vezes são estruturas do SENAI credenciados pela Embrapii”, explica a diretora de Inovação da CNI e superintendente nacional do IEL, Gianna Sagazio. “Conhecendo essas oportunidades, as empresas podem fazer projetos de inovação, parcerias, inclusive de inovação aberta, para que possam avançar e serem mais inovadoras”, diz. 

Pesquisador do SENAI-Cimatec Luciano Pisanu mostra a integrantes da imersão produtos feitos com materiais funcionais, como restos de casca de arroz

TORRES EÓLICAS – Durante a semana de imersão, os visitantes também conheceram os Institutos SENAI de Inovação em Sistemas Embarcados, em Santa Catarina; de Materiais Avançados, em São Paulo, e de Metalurgia e Ligas Especiais, em Belo Horizonte. Referência no desenvolvimento de novas ligas metálicas para empresas como Votorantim e Usiminas, o Instituto mineiro desenvolve, no momento, em parceria com a Gerdau, novos tipos de aço mais resistentes a fadiga para torres de energia eólica, que chegam a ter mais de 80 metros de altura. 

O grupo esteve ainda em centros pesquisa e desenvolvimento de empresas, como da Embraer em Belo Horizonte, o primeiro a ser montado, no Brasil, fora da sede em São José dos Campos. Dos 15 centros visitados, 12 são credenciados junto à Embrapii. “Esta iniciativa é a oportunidade que as empresas têm de se distanciar um pouco do dia a dia dos seus laboratórios e escritórios e prospectar oportunidades de negócios junto com centros de tecnologia de grande competência tecnológica, com gente de ponta, que conhece muito bem a fronteira tecnológica e consegue transformar isso em realidade de negócios”, avalia a coordenadora de planejamento da Embrapii, Ana Arroio. 

Foi exatamente o que fez o especialista em processos tecnológicos da Fibria Celulose, Ricardo Miguel Penchel, responsável pela prospecção tecnológica na empresa. A 8ª imersão da MEI surgiu no momento certo para ele, que estava com a tarefa de mapear os centros brasileiros que pudessem complementar o setor da Fibria responsável por pesquisa, desenvolvimento e inovação. “Uma das metas de projeto que temos este ano é tentar mapear os ecossistemas de inovação no Brasil, quem são as instituições e, em um segundo momento, talvez chegar às startups. Temos uma carteira de projetos muito ampla e buscamos parcerias em inovação aberta ou fechada para complementar nossas habilidades e competências nesses projetos”, explica. 

Laboratório de ensaios mecânicos

Relacionadas

Leia mais

CNI terá cinco imersões em ecossistemas de inovação em 2018
MEI abre inscrição para imersões em ecossistemas de inovação no Vale do Silício e na Suécia
Possui uma ideia inovadora? O Edital de Inovação para a Indústria tem  R$ 55 milhões para ajudar a concretizá-la

Comentários