Há muitas razões para que se invista na promoção da igualdade de gêneros, diz Gianna Sagazio

Diretora de Inovação da CNI moderou a live Mulheres, empreendedorismo e inovação. CEO da SAP, Adriana Aroulho, observou que empresas têm adotado boas iniciativas, mas que diferença de gênero ainda é abismal
Pesquisa aponta que empresas com líderes mulheres têm 21% mais chances de sucesso financeiro

A diretora de Inovação da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Gianna Sagazio, defendeu a ampliação da participação feminina em cargos das áreas de ciência, tecnologia e inovação. Ela moderou nesta quarta-feira (14) a live Mulheres, empreendedorismo e inovação, realizada pela CNI e pela Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), que contou com a participação da CEO da SAP Brasil, Adriana Aroulho, e da coordenadora de Projetos de Empreendedorismo Feminino do Sebrae, Renata Malheiros.

“Há muitas razões para que se invista na promoção da igualdade de gêneros e no empoderamento das mulheres, combatendo a discriminação, os preconceitos e as barreiras enraizadas na sociedade por meio de ações que abranjam a forma de criação de meninas e meninos, os estímulos e oportunidades nos diversos níveis educacionais e as possibilidades profissionais oferecidas pelo mercado de trabalho”, destacou a diretora da CNI. “As evidências da desigualdade de gênero e da sub-representação feminina na inovação, nas ciências e no empreendedorismo são abundantes”, acrescentou. 

Segundo Gianna, a despeito dos esforços para superar as discrepâncias identificadas e dos efetivos resultados até aqui alcançados, ainda há um longo caminho a ser percorrido para que sejam estabelecidos patamares equivalentes para homens e mulheres em termos de acesso, oportunidades, direitos e reconhecimento.

Ela observou que a sub-representação feminina é facilmente identificada nas áreas científicas e tecnológicas, no ambiente empreendedor e nas posições de liderança e decisão. “Mesmo quando as mulheres têm uma melhor educação, os homens apresentam maiores níveis de empregabilidade e recebem salários mais altos”, enfatizou Gianna Sagazio.

Recente pesquisa da consultoria McKinsey mostra a importância das mulheres para as organizações. Segundo os dados, as empresas com líderes mulheres têm 21% mais chances de sucesso financeiro.

Empresas vêm adotando importantes iniciativas de diversidade

Para Adriana Aroulho, recentes iniciativas empresariais demonstram que o meio corporativo tem bons exemplos de ações de diversidade. Ela detalhou o trabalho da SAP nesse sentido e observou que quanto mais as organizações refletirem sobre a importância da igualdade de gêneros mais as mulheres terão espaço no mercado. “Isso vem melhorando. Pelo menos no mundo empresarial, notamos muitas empresas comprometidas com iniciativas, mas a diferença ainda é abismal”, pontuou.

“Me sinto feliz de trabalhar numa empresa que tem a diversidade como valor, combustível da inovação e elemento da sustentabilidade. Temos cinco áreas de diversidade na SAP”, completou a CEO da SAP. Segundo ela, é preciso haver condições para que a mulher possa participar da disputa de qualquer vaga nas empresas. “A gente quer que as mulheres participem dos processos de seleção, mas que o escolhido seja o melhor para a vaga”, frisou Adriana.

Programa Sebrae Delas capacitou 10 mil mulheres

Renata Malheiros, por sua vez, detalhou a dificuldade que as mulheres ainda enfrentam para empreender e alcançar posições de destaque. Ela lidera o programa Sebrae Delas, que, nos últimos dois anos, atendeu mais de 10 mil mulheres, sendo duas mil de forma continuada. O programa busca aumentar a probabilidade de sucesso de ideias e negócios liderados por mulheres, a partir da valorização das competências, comportamentos e habilidades, difundindo e profissionalizando o empreendedorismo feminino.

De acordo com a coordenadora do Sebrae, as mulheres abriram metade das pequenas empresas criadas recentemente no país, mas com o diferencial de a maior parte ter empreendido por necessidade, quando não há outra forma de obter renda.

“A desigualdade ainda é grande. Hoje, menos de 10% das startups brasileiras são lideradas por mulheres. Há o mito do homem provedor. É comum ouvir maridos contrários à mulher empreender, perguntando quem vai cuidar da casa e dos filhos. Muitas vezes não é por mal, mas o boicote acontece e o número de divórcios aumenta. Precisamos envolver os homens nos negócios”, disse Renata.

Relacionadas

Leia mais

Nagi Digital abre chamada para instituições se inscreverem em programa de gestão da inovação
CNI defende aprovação urgente de projeto que libera recursos do FNDCT
Brasil avança quatro posições no Índice Global de Inovação e chega ao 62ª lugar

Comentários