Equipes de Goiânia estão entre os finalistas da etapa nacional do Torneio SESI de Robótica

Competidores apresentaram soluções para o desafio de melhorar a qualidade de vida dos astronautas no espaço
Equipes Lego da Justiça Planalto e Titans L.J.

Cerca de 800 adolescentes são finalistas na etapa nacional do Torneio de Robótica realizado pelo Serviço Social da Indústria (SESI), em parceria com a LEGO.

A escola SESI Planalto, em Goiânia, participa com duas equipes: Lego da Justiça Planalto e Titans L.J. As duas equipes apresentaram soluções importantes para o desafio de melhorar a qualidade de vida dos astronautas no espaço. 

A Lego da Justiça ficou em primeiro lugar na etapa regional do torneio, que ocorreu em novembro de 2018 na capital goiana. A solução apresentada pela equipe foi uma cadeira anti-impacto que protege os viajantes espaciais em caso de colisão com outros objetos, como meteoritos.

A estudante Taís Maria, 13 anos, está último ano do ensino fundamental. Com a participação nas aulas de robótica ela já até decidiu o que fazer na faculdade. “Quando a gente entra para a robótica, a gente tem uma visão bem diferente. Agora, o que eu quero mesmo fazer é nessa área de engenharia, porque agora a gente aprendeu a trabalhar mais. Além disso, a gente trabalha mais com essa área e acaba entendendo mais”, explica a adolescente. 

Já a equipe Titans L.J. ficou em segundo lugar. Eles apresentaram um projeto para reduzir o lixo espacial. A ideia é utilizar uma máquina criada por eles chamada “Máquina de Filamento Espacial” para reaproveitar materiais que os astronautas levam para as viagens e utilizar a impressora 3D para criar novos equipamentos, ferramentas. Dessa forma, eles acreditam que é possível economizar dinheiro e também espaço no ônibus espacial. 

“O que eu mais aprendi é a questão da reciclagem, que a gente deve estar sempre reutilizando o lixo que as pessoas produzem. Esse projeto, não só no espaço, mas poderia ser utilizado aqui também. Ele poderia fazer filamentos com essa impressora suprindo algumas das nossas necessidades, como por exemplo capinha de celular”, explicou Bianca Cristina, 14 anos, que já está ansiosa para a final. 

O professor Fernando da Silva é o técnico das duas equipes. Ele passou o ano treinando os estudantes e continua encontrando as finalistas todos os dias para fazer melhorias no projeto e concorrer a uma vaga na etapa mundial, que será em Houston, nos Estados Unidos. “Os meninos estão muito animados, trabalhando e treinando bastante todos os dias e querendo dar o melhor possível deles no nacional. Acho que essa é nossa marca, o legado desses meninos. Para alguns é a última temporada, e eles sabem que têm que deixar o melhor possível nessa etapa nacional”, afirma o professor.

O TORNEIO - No início de 2018, a empresa LEGO em parceria com o SESI desafiou estudantes das escolas brasileiras com o tema “Into Orbit”. A ideia era que cada equipe inscrita no torneio de robótica pudesse desenvolver alternativas que ajudassem no bem-estar de astronautas e em pesquisas espaciais. 

Entre outubro e dezembro do ano passado, foram realizadas etapas regionais para selecionar as melhores propostas e trabalhos. Os alunos escolhidos vão participar da etapa nacional entre 15 e 17 de março. Os melhores colocados podem garantir uma vaga no torneio mundial em Houston, nos Estados Unidos. 

A diretora de Educação e Tecnologia do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) em Goiás, Ivone Moreyra, defende que essa é uma maneira de ajudar os alunos a saírem da zona de conforto e abusar da criatividade. Para ela, “é uma ideia maravilhosa poder ver crianças e jovens pensando e organizando, a partir de pecinhas sofisticadas da LEGO (que não são essas que nós vemos nas lojas de brinquedos), a construção de robôs, equipamentos e conhecer a programação. Então eles pensam proposições e resolvem problemas”, diz a diretora.

Relacionadas

Leia mais

Rio de Janeiro vai receber o maior Festival de Robótica do Brasil
SESI e SENAI assinam acordo de cooperação com Microsoft  para capacitação de jovens em Inteligência Artificial
Aluno do SESI é convocado para seleção de Handebol de Alagoas

Comentários