Brasília recebe exposição do Prêmio Marcantonio Vilaça para as Artes Plásticas

Pela segunda vez, o Centro Cultural do Tribunal de Contas da União recebe obras do principal prêmio brasileiro de artes visuais. A mostra será aberta ao público a partir de quarta-feira (25), com entrada franca
As obras dos artistas vencedores da sexta edição do Prêmio poderão ser vistos até o dia 22 de dezembro, em Brasília

Quem acompanha o ambiente das artes visuais no Brasil sabe: ser premiado pelo Prêmio CNI SESI SENAI Marcantonio Vilaça para as Artes Plásticas é um presente para qualquer artista. Além do valor em dinheiro, os vencedores veem suas obras circularem por todas as regiões do país, recebem acompanhamento de crítico ou curador durante um ano e, de quebra, inserem seus nomes na seleta lista dos ganhadores de uma das mais relevantes e prestigiadas premiações da arte brasileira. A partir de agora, o público de Brasília vai poder conhecer os trabalhos premiados na sexta edição do Prêmio. Uma exposição com as obras dos artistas vencedores fica no Espaço Cultural Marcantonio Vilaça do Tribunal de Contas da União (TCU) até o dia 22 de dezembro.

Com curadoria de Marcus Lontra, a mostra não vem sozinha. Em paralelo à exposição dos trabalhos dos cinco artistas - Daniel Lannes (Niterói - RJ), Fernando Lindote (Florianópolis), Jaime Lauriano (São Paulo), Pedro Motta (São João Del Rei - MG) e Rochelle Costi (São Paulo) – acontece a terceira edição do Projeto Arte e Indústria com a exposição “A Intenção e o Gesto”, que exibe a obra do grande artista cearense Sérvulo Esmeraldo, homenageado desta edição, em diálogo com 11 artistas contemporâneos. Um passeio pela arte contemporânea brasileira, por suas reflexões, provocações e surpresas.

O PRÊMIO - O Prêmio CNI SESI SENAI Marcantonio Vilaça para as Artes Plásticas é uma iniciativa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), do Serviço Social da Indústria (SESI) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI). Considerado um dos mais tradicionais e respeitados prêmios do país, foi criado em 2004, e, ao longo de seis edições, já premiou 30 artistas e três curadores.

PROJETO ARTE E INDÚSTRIA – Em paralelo à exposição do Prêmio, é realizado, desde 2014, o Projeto Arte e Indústria, que está em sua terceira edição. Segundo o curador Marcus Lontra, o projeto busca homenagear artistas cujos processos de criação estão relacionados à produção industrial. Depois de Abraham Palatnik e Amélia Toledo, desta vez o destaque é o escultor, gravador, ilustrador e pintor Sérvulo Esmeraldo, cuja obra reflete a simbiose entre a arte e a indústria. O caráter concretista do trabalho do artista e a utilização de materiais industriais aliados à luminosidade, humor e leveza típicos dos trópicos e tão presentes em seus trabalhos explicitam o pensamento ousado e criativo tão necessário à inovação e desenvolvimento da indústria.

Junto às obras de Sérvulo Esmeraldo (falecido em fevereiro último) estão reunidos trabalhos de onze artistas contemporâneos que dialogam com a produção do mestre cearense - Almandrade, Ana Maria Tavares, Angelo Venosa, Arthur Lescher, Delson Uchôa, Hildebrando de Castro, Guto Lacaz, Iran do Espírito Santo, Jaildo Marinho, Raul Córdula e Paulo Pereira. Eles integram a exposição “A Intenção e o Gesto”.

Em 2018, a mostra vai passar por outras capitais brasileiras

MOSTRA ITINERANTE - Depois de Brasília, os trabalhos dos cinco artistas, a exposição do projeto curatorial premiado, além de um recorte de “A Intenção e o Gesto”, vai passar pelas cidades de Goiânia (Centro Cultural UFG),  Fortaleza (Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura), Rio de Janeiro (Paço Imperial) e Porto Alegre (Santander Cultural).

CENTRO CULTURAL DO TCU – Dedicado ao fomento à cultura e à difusão de conhecimentos históricos e artísticos, faz parte do Instituto Serzedello Corrêa (ISC) - Escola Superior do TCU. Com novas instalações, o Centro Cultural do TCU é integrado pelo Espaço Cultural Marcantonio Vilaça, pelo Museu do TCU Guido Mondin, pelo Programa Educativo do TCU e pela Biblioteca de Arte Marcantonio Vilaça, dispondo ainda de espaços para reserva técnica e oficinas de restauração de peças históricas. O local mantém aberta à visitação permanente a exposição “TCU – a Evolução do Controle”, que narra a trajetória do controle de contas desde o século XIII, em Portugal, e segue com a criação do Tribunal em 1890 até os dias atuais.

Todas as exposições que ocorrem no Centro Cultural do TCU são inseridas no Programa Educativo desenvolvido pelo Tribunal. Trata-se de um projeto permanente que promove visitas orientadas diárias e programadas ao Museu do TCU e ao Espaço Cultural Marcantonio Vilaça, fornecendo material educativo, lanche e transporte para alunos de instituições públicas de ensino do Distrito Federal.

MOSTRA DO PRÊMIO CNI SESI SENAI MARCANTONIO VILAÇA PARA AS ARTES PLÁSTICAS
Onde: 
Espaço Cultural Marcantonio Vilaça (TCU) - Setor de Clubes Esportivos Sul / SCES - Trecho 3 lote 3, Brasília (DF)
Visitação: 25 de outubro a 22 de dezembro
Horário: de segunda a sexta-feira (9h às 19h); sábados (14h às 18h)
Agendamentos para escolas e grupos: (61) 3316 - 5221
ENTRADA FRANCA

Relacionadas

Leia mais

Conheça os vencedores do Desafio SENAI de Projetos Integradores 2017
VÍDEO: Espetáculo de abertura da WorldSkills destaca cultura árabe
7 hábitos das pessoas altamente saudáveis e produtivas

Comentários