Um sistema essencial para o Brasil

Em artigo publicado na revista Indústria Brasileira, o presidente da CNI, Robson Andrade, ressaltou a importância do Sistema Indústria para o aumento da produtividade da economia brasileira

O Sistema Indústria presta serviços inestimáveis ao Brasil. Num país carente de atendimento público de qualidade, os brasileiros contam com essas instituições privadas para ter acesso a qualificação profissional, educação básica e ações de saúde, com excelência reconhecida mundialmente. Juntos, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), o Serviço Social da Indústria (SESI), o Instituto Euvaldo Lodi (IEL), a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e as federações estaduais das indústrias vêm atendendo, ao longo dos anos, milhões de empresas e de trabalhadores com competência e transparência. 

Criado em 1942, o SENAI é a maior instituição de formação técnica e profissional da América Latina. Ele promove a formação profissional e o desenvolvimento de pesquisas de interesse da indústria brasileira, contribuindo para elevar sua competitividade. Os Institutos SENAI de Inovação e os Institutos SENAI de Tecnologia trabalham pelo fortalecimento da cultura de inovação tecnológica, desenvolvem produtos e soluções fundamentais para que o Brasil se posicione entre as economias mais dinâmicas do mundo.

A experiência do SENAI, que atua em 28 áreas industriais, é especialmente importante para que tenhamos sucesso diante dos desafios da quarta revolução industrial, também chamada de Indústria 4.0. A extraordinária rapidez com que as tecnologias digitais estão transformando os processos produtivos exige severas adaptações não só das empresas e de seus executivos, mas também dos trabalhadores, o que reforça a necessidade de uma qualificação adequada, multidisciplinar e moderna, como a oferecida pelo SENAI em todo o país. 

O SESI foi criado em 1946 com a missão de promover a melhora das condições de vida dos trabalhadores brasileiros e de suas famílias, oferecendo educação de qualidade. Ao mesmo tempo, mantém programas de saúde, lazer e segurança para que as empresas aprimorem os ambientes de trabalho. O SESI tem a maior rede de educação regular privada do país, com escolas em todas as unidades da Federação, que adotam metodologias e currículos inovadores.

Um diploma do SENAI ou do SESI é um passaporte para a cidadania de jovens e trabalhadores das classes C, D e E, que passam a contar com melhores possibilidades de se inserir na cada vez mais competitiva economia moderna. Essas pessoas, que formam um contingente socialmente fragilizado, são a maioria dos alunos e profissionais atendidos, de forma gratuita, pelas duas instituições.

Voltado para a educação de executivos, o IEL tem programas que contribuem para a modernização dos processos e da gestão empresarial. O instituto estimula a aproximação entre governos, a academia e a indústria para promover o desenvolvimento de talentos que vão inovar na administração. As federações estaduais oferecem diversas ações de apoio à atuação nacional e internacional das empresas, orientando-as sobre alguns dos assuntos mais cruciais para sua expansão – um bom exemplo são os Núcleos de Acesso ao Crédito (NAC).  

As entidades que formam o Sistema Indústria têm a qualidade reconhecida pela população, como demonstraram pesquisas de opinião. Sua experiência é ainda mais importante na conjuntura atual, em que o mundo ainda não se recuperou plenamente dos estragos causados pela pandemia da covid-19 e já tem que lidar com os desafios de uma guerra na Europa. Além do drama humanitário, o conflito entre a Rússia e a Ucrânia está afetando a cadeia global de suprimentos, gerando inflação e o aumento dos juros em todo o mundo. 

SESI, SENAI, IEL, CNI e as federações estaduais das indústrias são instituições indispensáveis para o aumento da produtividade da economia brasileira, o desenvolvimento tecnológico, a educação de qualidade, o ensino profissional de nossos jovens e adultos, e o bem-estar geral dos trabalhadores. O Sistema Indústria faz um bem enorme ao Brasil.

*Robson Braga de Andrade é empresário e presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

REPRODUÇÃO DO ARTIGO - Os artigos publicados pela Agência de Notícias da Indústria têm entre 4 e 5 mil caracteres e podem ser reproduzidos na íntegra ou parcialmente, desde que a fonte seja citada. Possíveis alterações para veiculação devem ser consultadas, previamente.

Relacionadas

Leia mais

A Zona Franca de Manaus é parte da indústria brasileira
A não-revogação da reforma trabalhista espanhola
O futuro que queremos para o Brasil

Comentários