Tempo de mudança

Em artigo publicado no jornal O Popular, o vice-presidente da CNI, Paulo Afonso Ferreira, aponta caminhos para superar as dificuldades do cenário atual

Estamos passando por um triste momento no cenário mundial, com grandes impactos da vida de todos os povos. A história nos mostra que dificuldades trazem oportunidades para mudarmos certos rumos da nossa trajetória.

O diferencial é a forma como cada um reage, uns acomodam, se entregam ou desistem, enquanto outros evoluem. O Brasil passa por um cenário de grandes desafios. Temos vivenciado colapso na saúde por todas as partes do País, atividades suspensas, em virtude de lockdown, toque de recolher, gerando fechamento de empresas, desligamentos e desemprego. 


Não é momento de olharmos para trás, de querermos encontrar culpados. Nos cabe pensar sobre impactos que precisam ser superados. É um exercício diário, que mistura sentimentos como apreensão, medo, tristeza e ao mesmo tempo nos exige fé, otimismo, persistência e união para suplantarmos algo que jamais imaginávamos enfrentar.


Cautela, consciência, equilíbrio, resiliência, responsabilidade, conosco e com o próximo, são palavras-chaves que precisamos acrescentar às nossas ações e reflexões. Estamos todos no mesmo barco, independente de gênero, raça, credo, poder aquisitivo. Vaidades, ideologias, partidarismos e conflitos não nos levam a nada e são ineficientes na solução dos problemas.

Com união e trabalho, os resultados positivos se multiplicam. Precisamos nos inspirar nos exemplos de países que estão atuando com rapidez, ousadia, aglutinando esforços, parcerias, valorizando as virtudes e buscando soluções. Estamos na era do conhecimento, que deve ser usado para evolução e desenvolvimento da humanidade. Não podemos ignorar a importância da ciência, tecnologia e inovação para nossa sobrevivência e desenvolvimento.

Infelizmente carecemos de maiores investimentos na educação, na ciência e em pesquisas. Temos um grande parque industrial, ótimas universidades, recursos naturais e talentos humanos, que poderiam ser mais bem aproveitados e estimulados a gerarem conhecimento e agregarem valor.


É inconcebível nossa dependência na importação de insumos, equipamentos e recursos que deveriam ser produzidos aqui, como podemos ver no caso das vacinas para combater o Covid. Já tivemos grandes perdas de vidas, empresas, empregos, e não podemos deixar de aprender lições.


A prioridade nesse momento é erradicar essa doença, que tem gerado impactos econômicos e sociais, e outro passo será realizar ações para combater o desemprego e retomar o crescimento do País.

É preciso atenção aos seus desdobramentos para não sermos surpreendidos pelo pior, sendo imprescindível: reação, ousadia, determinação, ações planejadas, coordenadas e executadas em ritmo mais acelerado para minimizar impactos de uma crise que afeta a vida de todos nós e não sabemos quanto tempo durará.

Que possamos, dentro da convicção de cada um, com fé e esperança, clamar por providências, proteção, serenidade, consolo e dias melhores para a humanidade. Que Deus nos ilumine!

O artigo foi publicado no jornal O Popular, no dia 17/03/2021

Paulo Afonso Ferreira é vice-presidente executivo da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

REPRODUÇÃO DO ARTIGO - Os artigos publicados pela Agência CNI de Notícias têm entre 4 e 5 mil caracteres e podem ser reproduzidos na íntegra ou parcialmente, desde que a fonte seja citada. Possíveis alterações para veiculação devem ser consultadas, previamente, pelo e-mail [email protected] As opiniões aqui veiculadas são de responsabilidade do autor. 

Relacionadas

Comentários