Seguimos firmes

Em artigo publicado no jornal O Popular, vice-presidente da CNI, Paulo Afonso Ferreira, destaca que em um momento atípico, que traz reflexões, é preciso aprender algo novo todo dia

Seguimos firmes, perseverantes e otimistas de que tudo isso vai passar. Uma nova realidade foi instalada, hábitos, consumos, relacionamentos e desafios que exigem adaptabilidade e mudanças.

Nos comove e desafia a enxergarmos como um momento de oportunidades, de nos reinventarmos, de não nos apegarmos, pois não sabemos como será o amanhã.

Enfim, um momento atípico, que nos traz a reflexão sobre quebrar paradigmas, ideologias e resistências. Precisamos aprender algo novo a cada dia.

Uma transformação digital foi instalada, criados novos modelos de negócios e interações. Com esse cenário surge também a necessidade de novas habilidades, regulamentações, legislações e adequações.

Como exemplo, podemos perceber o surgimento de novas atividades profissionais, o uso de conceitos como delivery, home office, live, shows, reuniões, cursos, celebração de datas comemorativas por vídeo conferências, algo que rompem barreiras geográficas, evitam deslocamentos, otimizam tempo, recursos e geram produtividade.

Em nossas atividades na Confederação Nacional da Indústria (CNI) e como presidente do Conselho de Assuntos Legislativos (CAL), temos observado essa mesma realidade no Congresso Nacional, sendo importante reconhecer os esforços de Deputados e Senadores para que o País não pare.

Nos chama atenção, o volume de assuntos tramitando e votados em sessões remotas, com qualidade e celeridade, não somente relacionados ao enfrentamento da crise.

Durante os três meses de pandemia, senadores e deputados apresentaram cerca de 2581 proposições que tratam de medidas de combate à crise gerada pela Covid-19.

Considerando o Plenário da Câmara dos Deputados, em apenas 3 meses de pandemia, ocorreram 538 votações, uma quantidade superior ao dobro das apreciações do 1º trimestre legislativo de 2019.

No Senado Federal, a quantidade de matérias apreciadas em abril e maio de 2020 teve um aumento de 57% em relação ao 1º bimestre legislativo de 2019.

Dia 24 de julho foi aprovado o novo marco do Saneamento Básico, um assunto que tramitava há muitos anos e que chega em momento oportuno, em virtude da necessidade de proporcionar investimentos como medidas preventivas à transmissão do Covid-19. 

Mais de 35 milhões de brasileiros não têm acesso à água tratada e cerca de 100 milhões não têm serviço de coleta de esgoto.

Que continuemos vendo ações nesse sentido, com união entre os diversos poderes constituídos, com união, diálogo e iniciativas de contribuir com o crescimento e desenvolvimento do Brasil.

Na sequência é fundamental que sejam implementadas medidas pensando no pós-crise, pois acreditamos que precisaremos redirecionar os rumos do Brasil, consolidarmos bases, realizarmos reformas estruturais, como tributária e administrativa, para que tenhamos um ambiente mais favorável para os negócios, com empresas competitivas, consolidadas, produtivas, geradoras de emprego, rendas e receitas, itens imprescindíveis para o desenvolvimento socioeconômico do País.

Que Deus nos abençoe e ilumine nesse momento!

O artigo foi publicado no jornal O Popular, na quarta-feira (8).

Paulo Afonso Ferreira é vice-presidente executivo da CNI.

REPRODUÇÃO DO ARTIGO - Os artigos publicados pela Agência CNI de Notícias têm entre 4 e 5 mil caracteres e podem ser reproduzidos na íntegra ou parcialmente, desde que a fonte seja citada. Possíveis alterações para veiculação devem ser consultadas, previamente, pelo e-mail [email protected] As opiniões aqui veiculadas são de responsabilidade do autor. 

A Indústria contra o coronavírus: vamos juntos superar essa crise

Acompanhe todas as notícias sobre as ações da indústria no combate ao coronavírus na página especial da Agência CNI de Notícias.

Relacionadas

Leia mais

Tempos difíceis, novos esforços
É preciso planejar a retomada
Investimento em inovação será imprescindível para enfrentar futuras pandemias

Comentários