Otimização tributária

Em artigo publicado no jornal O Imparcial, o presidente da FIEMA avalia como a reforma tributária pode melhorar a qualidade do sistema tributário brasileiro, com mais simplicidade, transparência, neutralidade e equidade

A reforma tributária, com modelos quase idênticos em andamento na Câmara Federal e no Senado, vai enfim remover entraves para o crescimento, a inclusão social e o fortalecimento da federação, com a redução de impostos e a desburocratização que reduz o emaranhado legal em vigor.

O entrelaçado de normas, leis e portarias instituído pelo estado brasileiro e vigorando desde a reforma tributária de 1967, produziu o absurdo de mais de 340 mil enunciados, entre outros artigos legais, provocando o aumento do custo dos investimentos e criando entraves para a economia brasileira. Por conta disso, há imenso contencioso empresarial e perene insegurança jurídica a quem emprega e produz, onerando o custo Brasil.

Como referência, é bom citar que a carga tributária nacional saltou de 26% do PIB para 33%, entre 1996 e 2005, estabilizando-se entre 32% e 33% desde então. Esse é um valor muito elevado para um país em desenvolvimento e que precisa derrubar as amarras que propiciam alto grau de conflito e impacto negativo sobre a produtividade e o crescimento.

A reforma proporcionará a melhoria da qualidade do sistema tributário adotando os princípios da simplicidade, transparência, neutralidade e equidade, pois o que define a carga tributária é o nível das despesas públicas, não a estrutura dos impostos. Ela pretende equacionar questões básicas como garantir a autonomia dos entes federativos e dirimir a resistência da União, dos estados e dos municípios a uma potencial perda de receita.

Com foco nessa pauta de grande importância, entidades representativas como a Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (FIEMA), a Associação Comercial do Maranhão (ACM), a Câmara dos Diretores Lojistas (CDL) e a Federação do Comércio do Estado do Maranhão (Fecomércio) receberam na sede da FIEMA os deputados federais Hildo Rocha, Eduardo Braide e Aguinaldo Ribeiro, relator da PEC 45 que tramita na Câmara Federal, além do ex-ministro da Previdência Social, Nelson Machado, que abordaram o tema. As instituições entregaram documento com sugestões da classe empresarial à reforma.

Deles ouvimos que os três níveis governamentais terão autonomia para fixar suas alíquotas do IBS acima ou abaixo do valor de referência, preservando a independência financeira dos entes da federação. E ainda, que a alíquota uniforme no IBS evita que as empresas tenham custos com a classificação de seus bens, serviços ou intangíveis, impedindo disputas entre fisco e contribuintes sobre o enquadramento dos bens e serviços. Afasta distorções econômicas em razão de alíquotas menores para determinados itens e equaliza horizontalmente a carga tributária entre todos os itens atualmente consumidos.

Outros benefícios incluídos na proposta são a redução dos custos incorridos pelas empresas com número elevado de tributos e armazenamento de documentos fiscais, acabando com a cumulatividade dos impostos, diminuindo a judicialização dos conflitos tributários, além de simplificar a cobrança e reduzir a burocracia e elevar o emprego e renda.

O modelo do Imposto de Bens e Serviços (IBS) pressupõe a destinação de recursos para um Fundo de Investimento Regional, que orientaria a aplicação conforme as vocações regionais, substituindo o atual sistema de benefícios fiscais. E desonera a folha de pagamentos, reduzindo o custo da contratação dos trabalhadores formais e uniformiza o modelo de financiamento da Previdência, estabelecendo a mesma incidência sobre os rendimentos do trabalho, qualquer que seja a forma de sua percepção.

Segundo o proposto na reforma, nos primeiros 20 anos ganhos e perdas de receita de cada estado e município decorrentes da transição para o destino, corrigidos pela inflação, serão deduzidos ou acrescido do montante destinado a cada ente da federação. O único senão é o prazo de transição de 50 anos na distribuição da receita entre os estados e os municípios, longo demais, para que a reforma seja implantada. Um tempo menor facilitaria tudo, pois o Brasil tem pressa.

Outro ponto a ser destacado é o aprimoramento das regras sobre o comércio exterior, de modo que se possam aumentar os fluxos internacionais de investimentos e de comércio.

Estamos fazendo a nossa parte e contribuindo para o desenvolvimento nacional. Agora é torcer para que a reforma seja aprovada o mais rápido possível. Porque o país não tem mais tempo para desperdiçar.

Edilson Baldez das Neves Presidente da Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (FIEMA) e vice-presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI)

O artigo foi publicado no Jornal O Imparcial neste domingo (29). 

REPRODUÇÃO DO ARTIGO - Os artigos publicados pela Agência CNI de Notícias têm entre 4 e 5 mil caracteres e podem ser reproduzidos na íntegra ou parcialmente, desde que a fonte seja citada. Possíveis alterações para veiculação devem ser consultadas, previamente, pelo e-mail [email protected] As opiniões aqui veiculadas são de responsabilidade do autor. 

Relacionadas

Leia mais

Veja as reportagens mais acessadas da Agência CNI de Notícias
Confiança do consumidor para de cair, diz pesquisa da CNI
Tabela do frete ampliou uso de frota própria pelas empresas industriais, mostra pesquisa da CNI

Comentários