O impacto da transformação digital no setor de alimentos e bebidas

Em artigo publicado na Revista Indústria Brasileira, Bruno Sacute Iório, especialista de produtos da Mitsubishi Electric, explica a transição da indústria de alimentos e bebidas para o modelo 4.0

Globalmente, o setor de alimentos e bebidas é essencial para a vida das pessoas, assim como para a economia dos países, e o Brasil é considerado uma potência nesse segmento, com exportação para mais de 180 países do mundo, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (ABIA). 

Em 2019, o setor faturou quase R$ 700 bilhões, o equivalente a 9,7% do PIB nacional, valor 6,7% superior ao registrado em 2018. Tais números expressivos foram atingidos graças à industrialização, iniciada ainda na década de 1980 e 1990, e sua constante transformação, por meio de processos de digitalização e automação industrial. 

Essa transformação digital, ou indústria 4.0, possibilitou às fábricas efetuarem a manutenção remota de uma máquina ou rastrear as etapas de produção, desde a origem da matéria-prima até o envio do produto ao varejo. Esse nível de automação refletiu diretamente na redução de custos com energia e impactos ambientais.

Mais adiante, por meio da combinação de Inteligência Artificial (IA) e Internet das Coisas (IoT), a indústria ganhou mais um aliado na tomada de decisões sensíveis. Agora, por meio de algoritmos de inteligência artificial, pode-se decidir, com base na análise do banco de dados, pela liberação ou rejeição de lotes inteiros de um produto. 

Esses algoritmos também permitem analisar diversas variáveis externas envolvidas no planejamento de compra de matéria-prima, armazenamento e logística, tais como clima, preferências regionais, sazonalidade, composição do produto, entre muitas outras. Com base nesses dados de consumo, é possível fazer a solicitação com base na demanda, reduzindo desperdícios e aumentando a assertividade. 

Além disso, essas novas tecnologias contribuem de forma decisiva no cumprimento de normas sanitárias, como da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e de outros órgãos regulatórios, permitindo identificar rapidamente desvios ao longo da produção e viabilizando, em casos extremos, a realização de um recall.

Apesar da automação já ser uma realidade em grande parte da indústria de alimentos e bebidas, ainda há muito o que evoluir, principalmente por parte de fábricas pequenas, que sofrem com escassez de mão de obra especializada e ainda muitos processos manuais. O que falta, muitas vezes, é capacidade de investimento, seja por dificuldade no acesso ao crédito ou por falta de um cenário econômico mais favorável, mas isso já seria assunto para outro artigo.

O artigo foi publicado na edição de dezembro da Revista Indústria Brasileira.

Bruno Sacute Iório é especialista de produtos da Mitsubishi Electric

REPRODUÇÃO DO ARTIGO - Os artigos publicados pela Agência CNI de Notícias têm entre 4 e 5 mil caracteres e podem ser reproduzidos na íntegra ou parcialmente, desde que a fonte seja citada. Possíveis alterações para veiculação devem ser consultadas, previamente, pelo e-mail [email protected] As opiniões aqui veiculadas são de responsabilidade do autor. 

Relacionadas

Leia mais

Transformação digital é a única forma para as companhias se manterem competitivas
Rede 5G será fundamental para o Brasil avançar na automação e digitalização
MPEs têm a oportunidade de participar de rodadas virtuais para exportação de bebidas e alimentos

Comentários