O risco é de ficar para trás, diz coordenadora nacional do Procompi

Em entrevista ao jornal Tribuna do Norte, Suzana Peixoto fala sobre 18 anos de desenvolvimento de projetos para pequenas empresas e da importância de incentivar a profissionalização dos negócios
Suzana Peixoto é coordenadora do Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias

O Brasil tem o desafio de modernizar e profissionalizar a gestão de micros e pequenas empresas. Há 18 anos, esse tem sido o objetivo do Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias (Procompi), iniciativa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). Em quase duas décadas, mais de 8 mil empresas foram beneficiadas em 400 projetos coletivos.

Em entrevista ao jornal Tribuna do Norte, do Rio Grande do Norte, a coordenadora nacional do Procompi, Suzana Peixoto, fala sobre os resultados de quase duas décadas do programa e da importância de fortalecer instrumentos relacionados ao desenvolvimento de empresas de pequeno porte como estratégia de fortalecimento econômico.

"O Procompi nasce da necessidade de juntas empresas que têm as mesmas dificuldades e desafios para que, juntas, possam superar esses obstáculos", explica Suzana.

SAIBA MAIS - Leia íntegra da entrevista no site da Tribuna do Norte.

Relacionadas

Leia mais

Procompi pré-seleciona 36 projetos para micros e pequenas empresas
MDIC adota modelo de internacionalização do setor privado para impulsionar comércio exterior
VÍDEO: CNI 80 anos - A indústria evolui junto com você

Comentários