Sistema político atual compromete a governança, afirma FHC

Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso destacou, durante o ENAI, que os partidos políticos não acompanharam as mudanças da sociedade
Mediados por William Waack (direita), os painelistas Pedro Parente, Joaquim Falcão e Fernando Henrique conversaram sobre a importância da governança para o Brasil avançar


O Brasil vive um momento de ruptura e, para superar essa situação, há necessidade de líderes capazes de enxergar o que pode unir a sociedade. A afirmação foi feita pelo ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso nesta terça-feira (3). “É preciso voltar ao tema do coletivo”, disse durante o painel A governança do Brasil: os problemas, a agenda, as saídas, que integra o Encontro Nacional da Indústria (ENAI), realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) em Brasília. O debate foi mediado pelo jornalista William Waack.

Na avaliação de Fernando Henrique, a eleição é um momento oportuno para a discussão desses temas. Para ele, a saída está no diálogo e nas pessoas. O ex-presidente destacou que o sistema político brasileiro "precisa de reformas profundas", sendo um dos fatores responsáveis pelos problemas de governança enfrentados pelo país. 

Segundo ele, os partidos políticos hoje são corporações que têm acesso a recursos públicos e a tempo de televisão para defender interesses de grupos. Esses partidos não acompanharam as mudanças da sociedade e hoje há uma dispersão de forças cujas consequências são difíceis de prever.

Assista ao vídeo:

FISIOLOGISMO E PATRIMONIALISMO - Os demais participantes do painel, o especialista em Direito Constitucional Joaquim Falcão e o presidente da BR Foods, Pedro Parente, concordam que o sistema político precisa mudar. Para eles, a cultura do patrimonialismo e do fisiologismo impedem os avanços na melhoria da governança. “O fisiologismo se estende a todos os níveis de gestão, permitindo o aparelhamento do estado e a autopreservação do governo”, disse Pedro Parente, concluindo que isso impede a autocorreção do governo, um dos princípios básicos da boa governança. 

Parente destacou ainda que o novo presidente da República só terá condições de fazer o que o Brasil precisa se tiver liderança e carisma incontestáveis. O bom governo, acrescentou, é aquele que vê o problema, quer e sabe resolvê-lo e consegue mostrar à sociedade a gravidade da situação. “Também sabe armar apoios e desarmar os inimigos”, complementou.

Para os participantes do painel, a corrupção precisa ser combatida. Joaquim Falcão destacou que, pela primeira vez na história brasileira, a corrupção será um fator decisivo nas eleições. Ele lembrou que a Operação Lava-Jato tem o apoio da sociedade. Acrescentou que justiça, educação, saúde e segurança pública são bens indispensáveis na democracia. Joaquim Falcão, Fernando Henrique e Pedro Parente concordaram que a governança é crucial para o Brasil avançar.

O presidente da BR Foods, Pedro Parente, e o especialista em Direito Constitucional Joaquim Falcão concordaram que a cultura do patrimonialismo e do fisiologismo impedem os avanços na melhoria da governança

ENCONTRO NACIONAL DA INDÚSTRIA (ENAI) - Organizado desde 2006, o Encontro Nacional da Indústria (ENAI) reúne empresários de todo o país para debater questões estratégicas para o desenvolvimento do Brasil. Neste ano, o evento conta com a participação de mais de 2 mil representantes do setor industrial. Acompanhe a cobertura completa na Agência CNI de Notícias e as fotos no Flickr da CNI

Relacionadas

Leia mais

Custo da falta de segurança chega a R$ 365 bilhões em 2017 e  prejudica a competitividade de toda economia brasileira
Faturamento da indústria cai 16,7% por causa da greve dos caminhoneiros, mostra CNI
48% das grandes empresas pretendem investir em tecnologias 4.0 em 2018

Comentários