Ambiente no Brasil está mais favorável ao crescimento econômico, diz diretor da CNI

Carlos Abijaodi afirma que o país está fazendo reformas importantes e vem avançando com acordos comerciais e contra a bitributação. Há, ainda, sinais positivos como a inflação e os juros baixos
Lamego, Abijaodi, Bonomo e Azevedo: troca de informações com 47 representantes de 34 países

A melhora dos indicadores macroeconômicos e do ambiente de negócios apontam para uma recuperação mais forte da economia no próximo ano. “O ambiente está mais favorável ao crescimento”, disse o diretor de Desenvolvimento Industrial da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Carlos Abijaodi, durante o 12º Briefing Diplomático, realizado nesta segunda-feira (18), em Brasília. Organizado pela CNI, o evento reuniu 47 representantes de embaixadas de 34 países.  

“O Brasil está fazendo reformas importantes, fechou o acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia, oficializou o acordo do Mercosul com a Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA) e voltou a discutir os acordos bilaterais que evitam a bitributação”, acrescentou Abijaodi. Outro avanço, citou o diretor, foi o compromisso assumido pelo governo com a adesão do Brasil à Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).

O economista da CNI Marcelo Azevedo apresentou dados que confirmam a recuperação gradual da atividade econômica. O Produto Interno Bruto (PIB) teve uma expansão de 0,4% no segundo trimestre deste ano em relação ao período imediatamente anterior. A taxa de investimentos aumentou 2,1% em 2018 e avançou 3,2%, no segundo trimestre frente o primeiro trimestre deste ano. 

Outros indicadores positivos são, segundo Azevedo, a taxa de inflação, que está abaixo da meta fixada pelo Banco Central, a queda dos juros para 5% ao ano, a melhora da situação financeira das empresas e das famílias, o aumento da confiança dos empresários e dos consumidores e a redução da taxa de desemprego. 

FORMAÇÃO PROFISSIONAL – Além disso, durante o encontro, gerente-executivo de Relações Internacionais da CNI, Frederico Lamego, apresentou as ações do Serviço Nacional de Aprendizagem industrial (SENAI) e do Serviço Social da Indústria (SESI) na formação de trabalhadores no Brasil e no exterior. Lamego ressaltou que o SENAI oferece serviços de educação profissional para governos ou instituições de outros países e capacita trabalhadores para transnacionais brasileiras que se instalam no exterior.

“Atualmente, o SENAI atende a mais de 45 países com serviços de formação profissional”, disse Lamego. Entre esses países estão Moçambique, Angola, Guiné Bissau, Paraguai, Peru, Jamaica, Guatemala e Guiana Francesa. A entidade também atua com transferência de tecnologia com importantes institutos internacionais como a Fundação Fraunhofer, da Alemanha, e o MIT, dos Estados Unidos, e mantém uma equipe de especialistas em diversas áreas do conhecimento. 

TROCA DE INFORMAÇÕES – O Briefing Diplomático é uma reunião de representantes de embaixadas instaladas em Brasília, organizada pela CNI. Ocorre duas vezes por ano e o objetivo é apresentar aos representantes estrangeiros e trocar informações sobre a visão empresarial a respeito de temas importantes para o Brasil.

 

Relacionadas

Leia mais

Faturamento da indústria cresce pelo quarto mês consecutivo
Confiança do empresário está 5,6 pontos acima do registrado em outubro de 2018, informa pesquisa da CNI
Empresários do BRICS apresentam 23 propostas para ampliar o comércio e facilitar investimentos

Comentários