Saúde ocupacional e segurança no trabalho foram temas debatidos no CONGREGARH Conexão 2018

A finlandesa Anna Tienhaara apresentou pesquisas que demonstram a importância da comunicação e do alinhamento estratégico para desenvolver um plano de trabalho que promova um ambiente com saúde e segurança psicológica para times de alta performance
A psicóloga Anna Tienhaara é consultora do Instituto Finlandês Saúde Ocupacional

O segundo dia do Congregarh Conexão 2018, que acontece no Centro de Eventos da Universidade de Passo Fundo (UPF), até o final da tarde de hoje, destacou pela manhã o tema da saúde ocupacional e segurança no trabalho. A finlandesa Anna Tienhaara, psicóloga, consultora do Instituto Finlandês Saúde Ocupacional destacou a importância da comunicação e do alinhamento estratégico nas organizações para que os resultados sejam efetivos e os investimentos em saúde do funcionário sejam efetivamente revertidos em melhores resultados. Entre os fatores de risco psicossocial, Anna elencou a organização do trabalho, a natureza do trabalho e aspectos sociais do ambiente. “Estima-se que o estresse relacionado com o trabalho e outros riscos psicossociais cause metade dos dias de licença médica na Finlândia”, conta Anna Tienhaara.

De acordo com pesquisas apresentadas pela palestrante, os fatores psicológicos que afetam a saúde no ambiente de trabalho estão a falta de clareza de objetivos, demandas de trabalho, controle, treinamento e desenvolvimento, interrupções e obstáculos, responsabilidades e feedback, e valorização. Entre os fatores sociais, Anna destaca o trabalho sozinho ou em equipe, o fluxo de informações, a gestão justa, igualdade, bullying e carga emocional.

Segundo Anna, a conscientização é a chave. “Precisamos conversar mais sobre os fatores psicossociais em nível organizacional, tanto sobre riscos como acerca de recursos”. E complementa: “Muito pode ser feito para prevenir e tratar problemas relacionados a fatores psicossociais no trabalho. Os melhores resultados são objetivos quando as atividades cobram todos os aspectos organizacionais”. De acordo com pesquisa apresentada pela finlandesa, o retorno do investimento na gestão estratégica do bem-estar no trabalho sistematizado por cinco anos pode gerar um retorno do investimento de um para seis euros.

O gerente de gestão e RH da Bruning Tecnometal, Daniel Pôttker apresentou o case da empresa de promoção da saúde. Em três anos de instauração do programa, o nível de engajamento aumentou 34%. A partir de pesquisa, é possível identificar que muito mudou, desde o aumento da autoestima e do humor, até a redução da ansiedade, estresse, o nível de colesterol, diabetes e outras doenças relacionadas. As atividades também ficaram mais fáceis de serem executadas.

Emmanuel Lacerda, gerente executivo de saúde e segurança na indústria do SESI nacional, apresentou estatísticas que fortalecem a relevância da atuação estratégica da área de recursos humanos na gestão da saúde e segurança dos funcionários. “Estudos apontam que o peso do benefício de saúde chega a 12% da folha salarial das empresas. Este cenário impõe ao gestor de recursos humanos um novo olhar a questões relacionadas à gestão da saúde do beneficiário”, discorreu

Entre as soluções apresentadas por Emmanuel Lacerda está a utilização de novas tecnologias para tornar a análise de dados e a inovação mais ágeis por meio de dispositivos móveis, plataformas sociais, tendências e inteligência artificial. “Para isso é fundamental empoderar gestores e usuários. E também a qualificação no programa de promoção e prevenção em saúde e segurança”, concluiu. 

Sobre a ABRH-RS - Referência nacional entre as seccionais da ABRH Nacional, a Associação Brasileira de Recursos Humanos - RS acumula 45 anos de atividades no Rio Grande do Sul. Com mais de 1,7 mil associados, a entidade atua com foco na capacitação e qualificação profissional, por intermédio de cursos e eventos realizados durante todos os meses do ano. Realiza eventos técnico-científicos como o CONGREGARH, fóruns de liderança, relações trabalhistas, bem como pesquisas relacionadas à gestão de pessoas.
 

Relacionadas

Leia mais

Escolas do SESI conseguem reduzir o impacto da baixa escolaridade das mães no desempenho dos estudantes
SESI e SENAI lançam projeto #SEMPREFUTURO
Centro de Inovação do SESI de Mato Grosso do Sul pode melhorar a produtividade das indústrias

Comentários