Alunos do SESI e do SENAI são finalistas nacionais do Prêmio Miniempresa 2018

De Maceió, a equipe criou o RamiCoco, que foi considerado um dos 15 produtos inovadores do país selecionados para a fase final do Prêmio. Ele será exposto na Feira de Miniempresas, em Porto Alegre, em agosto
Os jovens lançaram não só o produto, mas montaram uma miniempresa, despertando o espírito empreendedor e aprendendo conceitos como custos e riscos

O RamiCoco, criado por alunos da Escola SESI/SENAI de Maceió, localizada no Benedito Bentes, é um dos 15 produtos inovadores do país (e um dos três da região Nordeste) selecionados para a fase final do Prêmio Miniempresa 2018, promovido pela Associação Junior Achievement do Brasil. Entre os dias 17 e 19 de agosto, o artefato produzido a partir da casca do coco será exposto na Feira de Miniempresas, em Porto Alegre, quando será anunciado o grande vencedor.

O produto foi desenvolvido a partir de uma ação da Junior Achievement em Alagoas e já é utilizado por um restaurante de Maceió que serve comida natural, mas pode ter outras utilidades como decoração. Também segue o princípio da sustentabilidade, por utilizar uma matéria-prima abundante na cidade.

“O coco é, simplesmente, jogado fora e toneladas e toneladas vão para o lixo todo dia, tanto no Mercado da Produção como nas feiras de Maceió. Então, a gente viu a oportunidade de retirá-lo do lixo e trazer para o nosso dia a dia como algo que a gente possa utilizar sempre e que tenha uma característica a mais na nossa cozinha”, destacou a aluna Ravanna Evellyn, 16 anos, do 3º ano do curso de Logística do SENAI.

O produto foi desenvolvido a partir de uma ação da Junior Achievement em Alagoas e já é utilizado por um restaurante de Maceió

O diretor da Escola SESI/SENAI, Carlos Abreu, explica que o projeto envolveu alunos de cursos técnicos diferentes, o que facilita o compartilhamento de conhecimentos em áreas distintas. A garotada também teve que montar uma miniempresa, despertando o espírito empreendedor e aprendendo conceitos como custos e riscos.

“Esse resultado confirma o perfil empreendedor da escola e comprova que a nossa formação para o mundo do trabalho vem dando um resultado significativo porque, basicamente, essa conquista é fruto desse perfil empreendedor que a gente conseguiu desenvolver nos alunos”, destaca.

“Eles são muito dedicados e acho que tudo isso se deve, realmente, ao trabalho que a gente vem fazendo aqui na escola devido à nossa preocupação com a inovação. A gente tenta incutir nos alunos o quanto isso é importante para o desenvolvimento deles”, ressalta a instrutora de Gestão, Telma de Brito.

Os amigos e familiares também ajudaram a alavancar o negócio, que está no Instagram, no endereço @ramicoco_s.a. “A gente não faz nada sozinho. Só chegamos até aqui por causa da divulgação de amigos, de parentes... tanto é que a gente recebeu convite para representar nosso estado lá na Feira de Miniempresas em Porto Alegre, concorrendo ao prêmio de melhor miniempresa do país”, festeja Lucas Dias, do curso técnico de Edificações.

A troca de experiências também é um ponto positivo para o aprendizado, ressaltou Lucas Leonardo, também de Edificações. “O bom profissional é aquele que percebe o leque de informações que tem à sua frente e consegue usar ele para somar a si próprio, construindo a sua identidade e cada vez mais adaptando ao mercado”, conclui.

Relacionadas

Leia mais

Alunos do SESI são premiados em torneio de robótica na Estônia
Possui uma ideia inovadora? O Edital de Inovação para a Indústria tem  R$ 55 milhões para ajudar a concretizá-la
Conheça 5 áreas de inovação em nanotecnologia para a indústria

Comentários